A solidão em Brasília 12 anos depois de inaugurada

Brasília 1972 Misto Brasil
Vista aérea parcial de Brasília em 1972/Arquivo Público do DF

Era de doer a falta de opções de lazer. Por gozação, era dito que o brasiliense havia adquirido o Complexo de Electra

Por Sérgio Botelho – DF

Doze anos depois de inaugurada, em 21 de abril de 1972, com a população ainda na casa dos seis dígitos, pouco mais de 600 mil habitantes, Brasília não contava com a presença constante de todos os ministros de Estado operando a semana inteira nas sedes de seus ministérios, na capital do Brasil.

Naquele início da década de 1970, os ministros da Fazenda, da Saúde e do Transporte, por exemplo, ficavam mesmo a maior parte do tempo no Estado da Guanabara, que sediou a capital da República até a inauguração de Brasília em 21 de abril de 1960.

Por gozação, era dito que o brasiliense havia adquirido o Complexo de Electra, ou seja, o medo de perder o Electra da Varig que saia de Brasília na noite de sexta-feira e levava ao fim de semana ensolarado no Rio de Janeiro, sonho de consumo permanente do brasiliense abonado na época.

Faltava de tudo, principalmente de entretenimento naqueles primeiros anos 1970.

As Asas Sul e Norte, diferentemente do previsto, ainda estavam preocupantemente desocupadas, enquanto cresciam as construções irregulares e incipientes nas cidades satélites. O transporte público continuava um horror. Com isso, a cidade ganhava cada vez mais uma característica própria, que era a de ser uma urbe sobre rodas.

Os estacionamentos já não atendiam as demandas dos automóveis. As obras de infraestrutura não atendiam à ocupação das periferias da cidade. No que diz respeito aos serviços de água, esgotos e telefones, ao menos no chamado Plano Piloto, o conjunto da obra havia melhorado bem, apesar do alto custo envolvido na implantação de cada um deles.

No entanto, era de doer a falta de opções de lazer na cidade, justamente o que aumentava aquele Complexo de Electra de que já falamos, e um inquietante sentimento de solidão. Um ambiente muito bom para os analistas.

Se no Plano Piloto havia os clubes – uma opção de lazer quase única e, mesmo assim, para os que tinham dinheiro – nas cidades satélites, nem falar. A cultura em geral sofria com a ausência de opções, ficando muito a depender de eventuais audições de música clássica e de peças teatrais.

O que restava ao brasiliense naquele tempo era ficar no apartamento, ver TV (via Embratel, um grande luxo naquele período e que permitia assistir nos mesmos horários a mesma programação da Guanabara e de São Paulo), jogar biriba, tomar uísque e continuar o papo iniciado no trabalho com o colega de repartição e que deveria continuar no dia seguinte.

Mas Brasília teria de mudar, e mudou no rumo dos dias atuais. E como mudou!

(Sérgio Botelho é jornalista)

Outros textos da série Brasília e sua s histórias

Leia – Rita Hayworth em Brasília

Leia – Juscelino desmente boatos de continuísmo

Leia – Em 1962, Brasília ainda alimentava pessimismos como capital do Brasil

Leia – a saga da Cidade Livre

Leia – Academia Brasileira de Letras decide ficar no Rio

Leia – a pedra fundamental de Brasília

Leia – o despejo dos hóspedes do Brasília Palace Hotel

 

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas