Bolsonaro diz em reunião de ministros que precisava reagir antes das eleições

Bolsonaro chora Misto Brasília
Bolsonaro alterou o registro de imunização no cartão de vacinação/Reprodução TV Brasil

Na reunião ministerial, Bolsonaro voltou a atacar os ministros do Supremo Tribunal Federal, questionando a isenção e integridade dos magistrados

Por Misto Brasil – DF

Em um vídeo apreendido pela Polícia Federal (PF), no âmbito da operação Tempus Veritatis, deflagrada na quinta-feira (8) contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e alguns de seus aliados mais próximos, o então chefe do Executivo aparece irritado e preocupado com seu destino político após as eleições de 2022.

Durante reunião com ministros, em 5 de julho de 2022, Bolsonaro afirma que é necessário “reagir” antes da eleição, cujo primeiro turno ocorreria em 3 meses. O vídeo, obtido pelo jornal O Globo, foi apreendido na casa do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens da Presidência que foi preso e fez delação premiada.

Leia – quem são e o que fizeram os alvos da operação da Polícia Federal

Na dura conversa com a equipe ministerial, Bolsonaro também demonstra pessimismo em relação às suas chances de ser reeleito presidente da República.

“Nós sabemos que, se a gente reagir depois das eleições, vai ter um caos no Brasil, vai virar uma grande guerrilha, uma fogueira no Brasil. Agora, alguém tem dúvida de que a esquerda, como está indo, vai ganhar as eleições? Não adianta eu ter 80% dos votos. Eles vão ganhar as eleições”, diz o então presidente aos seus subordinados.

“Todos aqui têm uma inteligência bem acima da média. Todos aqui, como todo o povo ali fora, têm algo a perder. Nós não podemos, pessoal, deixar chegar as eleições e acontecer o que está pintando”, prossegue Bolsonaro, bastante irritado.

“Eu parei de falar em voto impresso e eleições há umas 3 semanas. Vocês estão vendo agora que… eu acho que chegaram à conclusão. A gente vai ter que fazer alguma coisa antes”, completa o mandatário, sem especificar do que se tratava.

Participaram da reunião nomes como os generais Walter Braga Netto, ex-ministro da Casa Civil e da Defesa e candidato a vice-presidente da chapa de Bolsonaro em 2022; Augusto Heleno (ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional): Paulo Sérgio Nogueira (ex-ministro da Defesa e ex-comandante do Exército Brasileiro), além de Anderson Torres (ex-ministro da Justiça), Paulo Guedes (ex-ministro da Economia) e Mário Fernandes (chefe-substituto da Secretaria-Geral da Presidência da República). Com exceção de Guedes, todos foram alvos da Operação Tempus Veritatis.

“Vocês sabem o que está acontecendo. Achando que esses caras estão de brincadeira? Ah, vamos lá… Não estão de brincadeira. O que está em jogo é o bem maior que nós temos e contamos aqui na terra, que é a p… da liberdade. Mais claro, impossível. Nós [inaudível] vamos ter que reagir”, afirma Bolsonaro.

Na reunião ministerial, Bolsonaro voltou a atacar os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), questionando a isenção e integridade dos magistrados. “Alguém acredita em [Edson] Fachin, [Luís Roberto] Barroso e Alexandre de Moraes? Se acreditar, levanta o braço. Acredita que são pessoas isentas?”.

“Se não tiver argumento para me demover do que eu vou mostrar, não vou querer papo com esse ministro. Está no lugar errado. Se está achando que eu vou ter 70% dos votos e vou ganhar, como ganhei em 2018 – e vou provar –, o cara está no lugar errado”, completa o presidente, em tom de ameaça aos ministros.

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas