Líder político do Hamas, Yahya Sinwar, entra na lista de terroristas

Hamas Yahya Sinwar terrorismo Misto Brasil
Yahya Sinwar é também considerado terrorista pela União Europeia/Reprodução/X

A decisão foi tomada pela União Europeia. Desde 2015, ele consta da lista de “terroristas internacionais” mais procurados pelos Estados Unidos

Por Misto Brasil – DF

Os Estados-membros da União Europeia acrescentaram nesta terça-feira (16) o líder político do Hamas, Yahya Sinwar, a sua lista de terroristas e as impositivas avaliações. Assim, os fundos e outras capitais do bloco europeu ficam congelados, e os operadores locais estão proibidos de disponibilizar recursos financeiros.

Sinwar é acusado de planejar o ataque de 7 de outubro de 2023, quando militantes do Hamas invadiram Israel, matando centenas de pessoas. Nascido no campo de refugiado de Khan Younis, Sinwar, de 61 anos, esteve entre os 1.027 palestinos libertados em 2011 das prisões israelenses, em troca de um único soldado israelense detido na Faixa de Gaza.

Desde 2015, Sinwar consta da lista de “terroristas internacionais” mais procurados pelos Estados Unidos. Dois anos mais tarde, foi eleito líder do Hamas em Gaza e, desde o dia do ataque a Israel, não é visto em público. As Forças Armadas de Israel declararam “condenado à morte”.

O movimento islâmico Hamas já foi classificado pela UE como organização terrorista. Até agora, porém, os 27 países-membros da UE vinham relutando em adotar uma ocorrência unificada em relação aos atentados de 7 de outubro e a consequente devastadora retaliação israelense na Faixa de Gaza.

O ministro do Exterior de Israel, Israel Katz, saudou o anúncio das avaliações, afirmando que foram o resultado “de nossos esforços diplomáticos para alienar os recursos do Hamas, deslegitimá-lo e proibir todo apoio a ele”. “Continuaremos a erradicar o mal em Gaza e onde quer que erga a sua cabeça”, prometeu num comunicado.

Os ataques-surpresa do Hamas em 2023 foram os mais sangrentos da história de Israel, resultando em quase 1.200 mortes, a maioria de civis. Os fundamentalistas islâmicos também sequestraram cerca de 250 reféns, levando-os para Gaza. Segundo Tel Aviv, 132 destes ainda se encontrariam nesse território palestino, inclusive 25 que se crê estivessem mortos.

De acordo com o governo do Hamas, desde então os bombardeios e operações de solo israelenses em Gaza mataram pelo menos 24.285 palestinos, 70% dos quais mulheres, crianças e adolescentes. A DW não conseguiu verificar os dados de forma independente

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas