Guiana espera que o Brasil seja um líder na manutenção da paz na América do Sul

Guiana presidente Irfaan Ali Misto Brasil
Irfaan Ali é o atual presidente da Guiana, que tem um conflito com a Venezuela/Reprodução vídeo

Rico em petróleo e minerais, Essequibo, que atualmente é administrado pela Guiana, é motivo de conflito com a Venezuela

Por Misto Brasil – DF

O presidente da Guiana, Irfaan Ali, declarou nesta quarta-feira (06), em entrevista ao canal de TV GloboNews, que espera que o Brasil seja um líder na manutenção da paz na América do Sul, em alusão às recentes tensões com a Venezuela envolvendo o território de Essequibo.

Na entrevista, Ali opinou que a resposta do governo brasileiro até o momento em relação ao impasse tem sido muito madura.

“Conversamos com o presidente Lula e com o ministro das Relações Exteriores [Mauro Vieira] e os dois garantiram que a Venezuela estará do lado certo da lei […] Temos confiança de que o Brasil vai agir de maneira responsável, de maneira que seja condizente com um país que mostra maturidade e liderança”.

Rico em petróleo e minerais, Essequibo, que atualmente é administrado pela Guiana, é motivo de conflito entre os dois países há mais de um século.

A descoberta de grandes reservas de petróleo na área e da concessão de contratos por parte da Guiana para exploração de jazidas aumentaram as tensões que culminaram em um referendo convocado por Maduro, no último domingo (03).

“Antes do referendo eu tive uma ligação com o presidente Lula. O presidente Lula e o governo brasileiro mandaram uma equipe de enviados para a Venezuela para conversar com o presidente Maduro. Nós vemos o governo brasileiro tomando medidas para garantir seu território”, disse o presidente da Guiana no programa.

Os venezuelanos votaram “sim” no referendo consultivo, apoiando a criação de uma nova província, a “Guiana Essequiba”. O referendo teve a participação de mais de 10,5 milhões de cidadãos.

Questionado sobre a possibilidade de instalação de uma base norte-americana na Guiana, Ali informou que as relações com os EUA foram ampliadas.

Venezuela alimenta a polêmica e o conflito

O presidente venezuelano propôs uma lei para estabelecer norma que proíba a contratação com empresas que colaborem nas concessões unilaterais dadas pela Guiana no mar ainda não delimitado.

Além disso, solicitou que todas as empresas que receberam concessões da Guiana tenham prazo de três meses para se retirarem das operações no território em disputa.

O presidente venezuelano anunciou ainda a criação da “Zona de Defesa Integral Guiana Essequiba” e designou Alexis Rodríguez Cabello como Autoridade Única de forma provisória.

O Ministério da Defesa do Brasil confirmou o envio de 20 veículos blindados para o município de Pacaraima, em Roraima, que faz fronteira com a Venezuela.

Além dos veículos, o ministro da Defesa, José Mucio, confirmou que 130 homens também serão enviados para reforçar o contingente, divulgou a Agência Sputnik.

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas