Lira diz que excessos da Polícia Federal “estão aflorando de novo”

Arthur Lira e André Fufuca Câmara Misto Brasília
Arthur lira é o presidente da Câmara dos Deputados/Arquivo/Agência Brasil

Presidente da Câmara dos Deputados cita como exemplo as investigações contra o general da reserva Braga Neto

Por Misto Brasília – DF

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse que o governo precisa ter “cuidado” com excessos que têm aflorado em investigações da Polícia Federal. Para ele, “tem policiais indo além” do que deveriam.

“O governo tem que ter esse cuidado. O atual governo, eu tenho dito, tem que ter esse cuidado com alguns excessos que estão aflorando. Eles tinham sido resolvidos e estão aflorando de novo com muita particularidade”, declarou.

A mídia então pergunta se ele teria um exemplo sobre esses “excessos”, Lira responde que sim e cita o general Braga Netto.

“Tem vários [exemplos]. Tem o [general da reserva Walter] Braga Netto, tem outros aí. Polícia Federal não trabalha nem como promotor de Justiça nem como juiz. Ela tem que ir até a investigação. Acabou a investigação, acabou o papel. Ela não pode ir além disso. Tem policiais indo além disso”, disse.

Sobre o ex-presidente, Jair Bolsonaro, o líder da Câmara diz que ele não está “nem de longe” morto politicamente, “só ficou inelegível e pode funcionar como cabo eleitoral”.

“[…] Ele foi julgado inelegível, politicamente é muito amplo, ele pode funcionar como cabo eleitoral, ele pode apoiar outro candidato, ele pode reverter uma decisão dessa no Supremo Tribunal Federal [STF]. A gente já viu tantas dificuldades. O presidente Lula é um exemplo vivo disso”, afirmou.

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas