Ricardo Cappelli interventor DF Misto Brasília

Intervenção federal da segurança não será ampliada

No dia 31 de janeiro o interventor Ricardo Cappelli entrega o cargo a um secretário indicado pelo governo local

Por Misto Brasília – DF

O ministro da Justiça e segurança pública, Flávio Dino, informou esta tarde que não será prorrogada a intervenção federal na segurança pública do Distrito Federal.



A intervenção foi decretada pelo presidente Lula da Silva (PT) no último dia 8. A intervenção termina no dia 31 de janeiro, mas a permanência da Força Nacional continua até o dia 4 de fevereiro. Os agentes fazem a segurança na região da Esplanada dos Ministérios e Praça dos Três Poderes.

Flávio Dino disse que caberá à governadora em exercício, Celina Leão (PP), agilizar a indicação do novo ou nova secretária da Segurança Pública. Na semana passada, ela tinha comentado que o governo federal deverá apresentar o nome. Celina ficará no cargo por mais 80 dias.

Há pouco, o ministro afirmou que “a Polícia Federal segue efetuando prisões de participantes de atos terroristas do dia 8 de janeiro. Mais detalhes serão comunicados em breve”.


O interventor federal é o secretário-executivo do Ministério da Justiça e da Segurança, Ricardo Cappelli. Quando assumiu a tarefa, ele trocou toda a cúpula da pasta e fez críticas aos gestores.

No início da noite, ele disse que visitou hoje (23) o ministro Alexandre de Moraes, do STF. “Apresentei um balanço da intervenção federal na segurança pública do DF. Na quarta-feira, entregarei ao ministro um relatório sobre os fatos inaceitáveis ocorridos no dia 8 de janeiro”.

Ao novo secretário caberá coordenar a segurança externa do Congresso Nacional. No dia primeiro de fevereiro, assumem os novos parlamentares. No mesmo dia devem ser eleitos os membros das Mesas Diretoras do Senado Federal e da Câmara dos Deputados.