Bolsonaro proíbe militares de participar da equipe de transição

Bolsonaro e militares
Bolsonaro se aproxima cada vez mais da caserna após ruídos no ano passado/Arquivo/Divulgação

Os comandantes militares teriam recebido ordens para não indicar os interlocutores para o novo governo

Por Misto Brasília – DF

A equipe de transição do novo governo tem previsão de 31 subgrupos de trabalho. São cerca de 300 nomes que têm a obrigação de apresentar relatórios setoriais até o Natal.

Entretanto, nem todos os subgrupos estão com os nomes confirmados. Num deles, defesa e inteligência, ainda não foram indicados os participantes por um impasse político.

O problema estaria na falta de interlocutores, já que o presidente Jair Bolsonaro (PL), teria proibido que os comandantes da Aeronáutica, Exército e Marinha indicassem os interlocutores para a transição. A informação é do jornalista Tales Farias, colunista do Uol.



Após esta notícia, a informação no governo é que para a área da Defesa, não há necessidade de transição. A solução seria simples, com a troca de comando no Ministério da Defesa e das três Forças. O fato, é que a situação criou um impasse para o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB), que coordena a transição.

De acordo com o jornalista, aliados de Lula da Silva ainda acreditam que será possível abrir canais de negociação com os atuais comandantes militares para discutir o assunto. Os militares não querem afrontar uma ordem direta do ainda presidente, mas entendem que têm que preparar a transição na sua área de forma menos traumática possível.


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas