Aumenta concentração do vírus da Covid no esgoto de Brasília

Covid-19 sintomas Misto Brasília
O vírus da doença continua infectando e matando pessoas em todo o país/Arquivo

Levantamento da Agência Nacional de Água também aponta novo aumento em outras cinco capitais

Um novo aumento nos casos de covid-19 entre a população também se reflete nas redes de esgoto das cidades. A Agência Nacional de Águas (ANA) tem monitorado e acompanhado as cargas virais e concentrações do vírus no esgoto de seis capitais: Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife e Rio de Janeiro. Dessas, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Fortaleza apresentaram aumento da presença do vírus.



Em Belo Horizonte, a primeira quinzena de maio mostrou um forte aumento das cargas virais no esgoto que chega às estações de tratamento de esgotos Arrudas e Onça. Nesse período a carga viral saltou de 30,7 bilhões para 71,3 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes. Entre 15 e 20 de maio, a carga do novo coronavírus recuou para 49,1 bilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes, um patamar ainda considerado elevado.

Esse monitoramento teve início em abril de 2020. Desde então, a maior carga já registrada na capital mineira foi na terceira semana de janeiro. Foram 662,1 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes.

Junto com Belo Horizonte, o aumento da carga viral em Curitiba foi considerado expressivo pela ANA. O mês de maio apresentou “um aumento significativo e progressivo” da carga viral nos esgotos da capital paranaense, de acordo com a agência. O número passou de 176,4 bilhões para 880,2 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes.



Esta é a segunda maior carga já registrada na capital paranaense desde o início do monitoramento, em março de 2021. Os números de maio só foram superados pelas 1,14 trilhão de cópias, registradas em janeiro deste ano.

O aumento do vírus nos esgotos de Brasília chegou a 311,3 bilhões de cópias do novo coronavírus por dia para cada 10 mil habitantes na última semana de maio. Na primeira semana do mesmo mês, a carga era de 21,8 bilhões de cópias. Houve um aumento de 14 vezes na carga viral em um intervalo de quatro semanas.


Em Fortaleza, o mês de maio começou com uma carga viral nos esgotos de 5,3 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes. A última semana do mês teve um registro de 8,9 bilhões de cópias do vírus. Houve, no entanto, uma oscilação dentro do mês. A terceira semana apresentou a maior taxa viral, de 14,8 bilhões.

Tanto em Recife quanto no Rio de Janeiro as cargas virais tiveram pouca variação e permaneceram em patamares baixos no mês de maio. Na capital fluminense, a maior carga viral detectada foi de 1,4 bilhão de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes. Já em Recife, não houve registros da presença do vírus nos esgotos durante a primeira metade de maio nem na última semana do mês. Apenas na terceira semana houve registro, de 0,2 bilhão de cópias.


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas