Twitter sede rede social Misto Brasília

O desafio de fazer dinheiro com o Twitter

A empresa vai fechar capital e se tornará uma companhia privada após a venda para Elon Musk

A compra do Twitter pelo homem mais rico do mundo chama atenção pela pujança do negócio, de US$ 44 bilhões, mas também lança a rede social dos 280 caracteres em um terreno de muitas incertezas.



Com a venda para Elon Musk, a empresa vai fechar capital e se tornará uma companhia privada. O bilionário, usuário assíduo do Twitter, com mais de 80 milhões de seguidores, sinalizou, em diversas postagens, as mudanças que pretende fazer. Entre elas, a de fazer da rede um espaço de “liberdade de expressão”, porém mais rigorosa em termos de autenticação de usuários. Nenhuma palavra, porém, sobre como o Twitter, em sua nova fase, vai conseguir monetizar sua plataforma – um desafio apontado pelos atuais investidores da companhia.

“Do ponto de vista fundamental, a empresa não é uma boa compra, um bom investimento. O management não consegue entregar um plano de monetização e crescimento de usuários. Mas é inegável que os mais de 200 milhões de usuários do Twitter veem valor na plataforma”, afirmou Paulo Gitz, head de equities da XP International, em entrevista ao Coffee & Stocks.


Mesmo com a disparada no preço da ação após a confirmação da compra por Elon Musk, a ação do Twitter ainda oscila em patamar muito próximo do seu primeiro dia de negociações na Nasdaq, em novembro 2013. Ainda assim, na avaliação de Gitz, a empresa não está barata e negocia a múltiplos esticados.

“A aquisição realizada por Musk pode sim ser um gatilho positivo para a companhia, mas ainda restam dúvidas sobre a capacidade do bilionário de expandir a lucratividade da rede social para novos recordes históricos. Atualmente o mercado não espera que a lucratividade do Twitter retorne aos níveis pré-pandemia, de 2019, antes de 2025”, complementa Rodrigo Lima, analista de investimentos da Stake, informou o Infomoney.