Caminhões vagas abertas motoristas Misto Brasília

Valor do frete tem alta de 6,34%, o segundo mais alto do país

Os dados do IFPF mostram o valor médio do frete por quilômetro por eixo no Brasil

O custo do frete entre julho e agosto subiu 6,34% no Distrito Federal, de acordo com o Índice FreteBras do Preço do Frete (IFPF) divulgado nesta segunda-feira (18). Foi a segunda maior alta no valor médio, logo após o estado do Maranhão, que registrou alta de 6,92%. Os preços médios nesses estados ficaram em R﹩ 1,03 e R﹩ 1,00, respectivamente.

Os dados do IFPF mostram que o valor médio do frete por quilômetro por eixo no Brasil foi de R﹩ 0,98, em agosto. A região Norte é a que apresentou o quilômetro por eixo mais caro (R﹩ 1,04), seguida por Nordeste (R﹩ 0,99) e Centro-Oeste (R﹩ 0,98). Os fretes mais baratos foram registrados no Sul e Sudeste, ambos com R﹩ 0,97.



O valor do frete no Brasil continua não acompanhando os sucessivos aumentos no preço do óleo diesel S500, segundo o estudo da FreteBras. Entre agosto de 2020 e agosto de 2021, o custo nacional do transporte por quilômetro rodado por eixo teve um aumento de apenas 1,58%, enquanto o preço do diesel, no mesmo período, subiu 37,25%.

“A produção de grãos no Maranhão aumentou 5,7% nesse período, o que equivale 319 mil toneladas a mais de grãos para transportar. Nós calculamos que seriam necessários cerca de 6 mil caminhões a mais para escoar esse volume. Porém, em nossa plataforma, vimos que apenas mil caminhoneiros a mais estavam disponíveis de julho a agosto. Para atrair mais caminhoneiros, os produtores tiveram que aumentar o preço do frete”, explica o diretor de Operações da FreteBras, Bruno Hacad.




No Distrito Federal, a situação foi parecida. “Enquanto o volume de fretes aumentou em cerca de 12% no período, o número de caminhoneiros disponíveis na região, em nossa plataforma, caiu em 6%”, complementa Hacad.