Davi Alcolumbre Senado plenário Misto Brasília

Alcolumbre responde a Bolsonaro sobre sabatina de André Mendonça

O ex-ministro aguarda ser chamado pela CCJ para ser sabatinado para assumir vaga no Supremo

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), depois das críticas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido),  publicou hoje (13) á tarde uma nota em que a indicação ao Supremo Tribunal Federal não é um ato impositivo. O ex-ministro André Mendonça aguarda ser chamado pela Comissão de Constituição e Justiça para ser sabatinado.

A contagem de espera ultrapassa a três meses e por isso criou um clima de intrigas, inclusive entre o Centrão e a ala evangélica mais radical, representada pelo pastor Silas Malafaia.

Alcolumbre, que é o presidente da CCJ, é responsável pelo travamento da sabatina do ex-chefe da Advocacia-Geral da União, disse que existe a independência entre as instituições e que não faz política em busca de favores. Na nota de seis parágrafos.



Ele diz na nota de seis parágrafos que a prioridade do país é o a retomada do crescimento, a geração de empregos e o encontro de soluções para a alta dos preços que corroem o rendimento dos brasileiros e que existem 1.748 matérias tramitando na Comissão de Constituição e Justiça que ele comanda. “Reafirmo que não aceitarei ser ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado com o aval ou a participação de quem quer que seja”.

“Jamais condicionei ou subordinei o exercício do mandato a qualquer troca de favores políticos com quem quer que seja. É importante esclarecer que a Constituição estabelece a nomeação do Ministro do Supremo Tribunal Federal não como ato unilateral e impositivo do Chefe do Executivo, mas como um ato complexo, com a participação efetiva e necessária do Senado Federal. Destaco que essa regra existe inclusive para outros cargos e tem sido respeitada e seguida exatamente conforme prevê nossa Constituição”.