Robson Rodovalho bispo DF

Ibaneis deve escolher um evangélico como vice-governador

Há alguns nomes na mesa, mas os mais cotados são Rodovalho, Ronaldo Fonseca e Fadi Faraj

A exemplo das articulações nacionais, no Distrito Federal há também enormes dúvidas sobre o futuro político de muita gente, mas a situação mais cômoda é do governador Ibaneis Rocha (MDB). Pré-candidato à reeleição, o governador navega tranquilo entre seu grupo para ajustar as composições à campanha majoritária de outubro de 2022.

Nessa regulagem, está a definição dos nomes dos candidatos ao Senado Federal e a vice-governador. Enquanto no primeiro caso, os ajustes dos ponteiros ainda dependem de acordos, no segundo, a situação parece bem mais tranquila.

É muito diferente da experiëncia de 2018, quando Ibaneis se lançou candidato. Naquela época, ninguém se apresentou para a chapa e o então candidato convocou Paco Britto (Avante).



Ibaneis tem muitos nomes na mesa, mas apenas três podem contribuir nesta nova empreitada e, teoricamente, só há um caminho neste cenário. Para agregar força junto ao eleitorado, o governador deverá ter ao seu lado lideranças evangélicas.

Esta poderosa corrente religiosa contabiliza 900 mil pessoas no Distrito Federal. É um capital político que faz a diferença num embate político, ainda mais que não há uma tradição para a reeleição de governador.

O companheiro de chapa deverá sair desse eleitorado. Entre os mais fortes estão Robson Rodovalho, Ronaldo Fonseca e Fadi Faraj.  E entre os três, Rodovalho tem grande vantagem. Na opinião de uma pessoa próxima ao governador, basta o líder da Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra desejar o cargo, para encerrar o assunto.



Robson Rodovalho tem experiência política. Já foi deputado federal pelo DF. O bispo deixou a política partidária por vontade própria.

Na lista de vice-governador se apresenta o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Ronaldo Fonseca. Foi deputado federal por dois mandatos e tem liderança na comunidade evangélica.

O terceiro cotado, mas com menores chances, está o apóstolo Fadi Faraj. Fundador e presidente do Ministério da Fé é um apresentador de programas evangélicos na televisão e no rádio. É casado com a apóstola Lígia Faraj, que também já se aventurou na política partidária.