Bíblia mãos

Papel dos ignorantes embalados por palavras agressivas

Em nome de Deus, os falsos conspiram contra o entendimento e a harmonia

Texto de Gilmar Corrêa

Nunca se mencionou tanto Deus no governo como nos últimos dois anos. Nunca se falou tanto em Jesus e Deus na política brasileira. Na CPI da Covid-19 do Senado Federal, expressões bíblicas abrem e fecham empolgados discursos.

Personagens hipócritas. Escondem o verdadeiro interesse e neste caso, é o embate, a violência, a agressividade, a falta de respeito, o abuso e o desinteresse na causa pública.

Nunca de falou tanto e se incentivou a violência como nos tempos atuais. Não há uma palavra de conforto, de entendimento, da harmonia.

Do Palácio do Planalto são disparadas palavras distorcidas ao vento. Expressões agressivas, chulas, impróprias. Transformaram nossos ouvidos em penicos fétidos.



Das redes sociais essas agressões às pessoas ganham reverberações perigosas, com ignorantes assumindo o papel de juízes, de policiais, de donos da verdade e da blasfêmia. Macacos amestrados ajudam a reproduzir o impróprio, o indigno e a violência.

Na bandeira da anticorrupção se elegeram muitos. No conteúdo do rescaldo – próximos de uma nova eleição -, percebemos que tudo não passa de jogo, um jogo que suga boas ideias e instituições.

As corporações pontuam regras e suas práticas nocivas nascem como ervas daninhas. Nunca se mentiu tanto em nome da democracia, do interesse público. Em nome da Constituição e da defesa do interesse público.

Lamentável a que ponto chegamos. A falta de bom senso virou regra geral. Há uma disputa negativa sobre as impropriedades, a falta de valor moral e à ignorância.

Foi polarizado o debate do negativo patrocinado por supostos líderes com suas mentes pequenas e distorcidas. É provável que o fundo do poço seja exatamente a verborragia contaminada, que não permite conceitos de interesses humanos, verdadeiramente honestos com as necessidades que o país exige a curto prazo.

É triste ver como estamos atrasados e como este atraso impulsiona o retrocesso e a ameaça de graves divisões. Difícil não imaginar o pior. Talvez os falsos profetas sejam expulsos do templo. Quem sabe…