Ministro da Saúde Eduardo Pazuello

Dinheiro de vacina teria comprado gasolina de avião

As Forças Armadas gastaram mais de R$ 110 milhões destinadas à vacinação

Com o aval do coronel Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde na gestão do general Eduardo Pazuello, as Forças Armadas gastaram mais de R$ 110 milhões destinadas à vacinação no país contra o coronavírus para comprar combustível e peças de aviões, informa o jornal Folha de São Paulo nesta quinta-feira (08), que obteve acesso aos dados do Tesouro Nacional.

Em 19 de janeiro, Franco assinou um Termo de Execução Descentralizada, o qual viabilizou a transferência de recursos de enfrentamento à pandemia Covid-19 do Ministério da Saúde para a Defesa. De acordo com o documento, a maior parte do dinheiro foi usada “na manutenção de viaturas, aeronaves e equipamentos, horas de voo, combustível e alimentação das tropas, entre outras, para as atividades de apoio à vacinação e à distribuição de vacinas”.



No momento, o coronel é assessor especial da Casa Civil da Presidência. No depoimento de quarta-feira (7), o ex-diretor de logística da Saúde, Roberto Dias, afirmou que Franco coordenava a negociação da vacina Covaxin com o governo.

O Brasil confirmou mais 1.733 mortes e 53.824 casos de Covid-19, totalizando 530.344 óbitos e 18.962.786 diagnósticos da doença, informou o consórcio entre secretarias estaduais de saúde e veículos de imprensa.