Brasil registra quase 1 milhão de mortes no primeiro semestre

Brasil registra quase 1 milhão de mortes no primeiro semestre

Nunca o país registrou tantas mortes e tão poucos nascimentos entre janeiro e junho

Em quase 20 anos, o Brasil nunca registrou tantas mortes e tão poucos nascimentos num primeiro semestre como entre janeiro e junho deste ano, apontam dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

De acordo com a associação, os cartórios de registro civil brasileiros contabilizaram 956.534 mortes no primeiro semestre de 2021, 67,7% acima da média da série histórica para o período, iniciada em 2003, 37,3% a mais que na primeira metade de 2020, e 52,8% em relação a 2019.

Somente entre janeiro e junho deste ano, foram registrados 323.117 dos mais de 530 mil óbitos por Covid-19 contabilizados oficialmente até agora no Brasil, o segundo país do mundo com mais mortes em decorrência da doença, atrás somente dos EUA.



No primeiro semestre, os cartórios também registraram 1.325.394 nascidos vivos, o menor número para o período desde 2003. A marca ficou 10% abaixo da média histórica, somente 0,09% abaixo do primeiro semestre do ano passado, mas 8,6% abaixo do mesmo período de 2019.

A pandemia de covid-19 foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em março de 2020. Especialistas apontam uma conexão entre a queda nos nascimentos e uma redução do número de casamentos durante a crise sanitária.