NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Governo do DF decide acelerar vacinação contra a Covid-19

Decisão ocorre após muitas críticas sobre a lentidão da imunização. Secretaria põe a culpa no atraso ao Ministério da Saúde
Vacina Covid-19 DF técnica
As novas previsões darão velocidade na campanha de vacinação contra a Covid-19/Arquivo

A vacinação no Distrito Federal está em ritmo lento. Enquanto em Goiás a cidade de São João da Paraúna, já vacina contra a Covid-19 pessoas com 28 anos, na capital federal o agendamento da vacinação estará aberto nesta sexta-feira (11) para as pessoas de 55 e 57 anos. O agendamento começa às 12 horas, mas não há data ainda para a imunização.

O DF registrou hoje 30 novas mortes associadas à peste, com 631 infecções. Neste momento, a capital registra 414.053 casos da doença e 8.898 mortes desde março do ano passado.

Diante das críticas pela demora, o governo distrital se defende e põe a culpa no Ministério da Saúde. De acordo com a Secretaria da Saúde, a cada remessa de vacinas que o DF recebe da União, uma nota técnica orienta sobre o quantitativo que determinados públicos-alvo receberão.

“Como exemplo, as 47.250 doses da vacina AstraZeneca, recebidas na manhã desta quarta-feira (9), vieram com a orientação para uso como primeiras doses”, escreveu a assessoria de imprensa.

Hoje, o chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, também disse que “a vacinação está funcionando de forma adequada”. Ele descartou, por enquanto, mudar o sistema mas disse que pode reavaliar a posição no futuro.

Rocha afirmou que 36,2 mil doses da farmacêutica Janssen, da Johnson & Johnson, serão destinadas à vacinação (em dose única) de profissionais de educação pública. Há pressa para que isso ocorra, porque o lote tem prazo de validade. Vence no dia 27 de junho. A vacinação deverá ser em massa.

Novo esquema – O governo distrital definiu a distribuição de 120 mil doses de imunizantes da seguinte forma: 43 mil para pessoas com 55 ou mais; 38 mil para profissionais da educação pública; 15 mil para quem comorbidades; 10 mil para pessoas com deficiência sem BPC; 8 mil para profissionais da segurança pública; 5 mil para os rodoviários;  2 mil para moradores de rua; 1,5 mil para as Forças Armadas; 1 mil para os aeroportuários; 500 doses para assistentes sociais e 256 doses para servidores da Anvisa.

Na semana passada foi aberto o agendamento de pessoas com deficiência sem cadastro no BPC, a estimativa é que esse público no DF seja de 80 mil pessoas. Para esta primeira fase de atendimento deste público foram destinadas 15 mil doses, no entanto, somente 3,5 mil realizaram o agendamento.

Cepas – A Secretaria da Saúde informou que todas as análises do último sequenciamento genômico, realizado pela equipe de Biologia Molecular do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen), em parceria com pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB), com 92 amostras, tiveram resultado para a cepa P1, conhecida como a variante brasileira com primeiros casos registrados em Manaus.

Mais noticias

Slider