NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Auditor que fez relatório falso sobre a Covid-19 é afastado pelo TCU

O servidor público trabalha na secretaria que cuida de assuntos de saúde. Ele mora em São Paulo e é um crítico da Imprensa
TCU auditor Alexandre Figueiredo
Alexandre trabalha no TCU e é investigar por produzir um relatório falso sobre mortes pela Covid/Reprodução rede social

Está afastado das funções o auditor Alexandre Figueiredo Costa Filho, que foi o autor de um falso relatório que reduzia pela metade o número de mortes associadas à Covid-19. O documento foi mencionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e replicado por bolsonaristas nas redes sociais, incluindo a deputada Bia Kicis (PSL-DF).

O comunicado do afastamento foi feito pelo próprio Tribunal de Contas da União (TCU). O auditor trabalha na Secretaria de Controle Externo do TCU da Saúde e mora em Jundiaí, em São Paulo. Ele é um crítico do trabalho da Imprensa e também do PSol. O tribunal de contas prometeu investigar e punir o servidor.

“O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje”, registrou em nota o TCU.

Nota do TCU divulgada no início da semana

O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que “em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid”, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada nesta segunda-feira (7/6).

O TCU reforça que não é o autor de documento que circula na imprensa e nas redes sociais intitulado “Da possível supernotificação de óbitos causados por Covid-19 no Brasil”.

O documento refere-se a uma análise pessoal de um servidor do Tribunal compartilhada para discussão e não consta de quaisquer processos oficiais desta Casa, seja como informações de suporte, relatório de auditoria ou manifestação do Tribunal. Ressalta-se, ainda, que as questões veiculadas no referido documento não encontram respaldo em nenhuma fiscalização do TCU.

Será instaurado procedimento interno para apurar se houve alguma inadequação de conduta funcional no caso.

Mais noticias

Slider