Celular mãos trabalho Misto Brasília

Celular é a principal ferramenta de trabalho do mais pobre

As classes C, D e E usam quatro vezes mais celulares para trabalhar em casa do que as classes A e B. As pessoas classificadas pela classe C utilizam 51% a mais de celulares do que outros dispositivos para trabalhar. E pessoas entre as classes D e E utilizam cerca de 84% de celulares, do que outros dispositivos, como notebook e computador de mesa, para fazer o seu trabalho remoto durante a pandemia.

O levantamento é da plataforma de telecom de comparação de preços de planos de internet Melhor Plano. Os dados foram reunidos a partir da pesquisa TIC Domicílios, produzida pelo Centro Regional para o Desenvolvimento de Estudos sobre a Sociedade da Informação (Cetic).

“O uso de celular para atividades remotas torna-se o recurso mais barato e democrático para os brasileiros das classes C, D e E, já que os planos controle e pós-pago ficaram mais acessíveis nos últimos anos. Em 2020, por exemplo, o acesso ao pós-pago se equiparou ao pré-pago, segundo os últimos microdados da Anatel“, compara o co-fundador do site  Melhor Plano, Felipe Byrro.

O aumento do uso de aparelhos celulares para atividades remotas entre as pessoas ainda varia, dependendo do grau de escolaridade. Quase 70% das pessoas com ensino fundamental dizem utilizar o aparelho de celular para trabalhar. As pessoas com ensino superior utilizam muito menos o aparelho celular (21%) e mais o notebook para trabalhar (56%).