NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Taxa de eficácia global da CoronaVac é de 50,38%

O imunizante é considerado eficaz e seguro pelo Instituto Butantan, parceiro na produção junto com a China
Covid-19 vacina
Doses da vacina da Índia contra a Covid-19 começaram a ser distribuídas amanhã/Arquivo

Foram divulgados há pouco dados completos sobre a eficácia da CoronaVac. A vacina atingiu eficácia global de 50,38% – a Anvisa exige, no mínimo, 50%. Anteriormente, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), havia revelado os recortes de eficácia da vacina, é de 78% eficaz para casos leves e 100% eficaz para prevenção de casos graves e moderados da Covid-19. O índice glovbal é semelhante à eficácia da vacina comum.

Apesar disso, pesquisadores e especialistas cobravam a divulgação da taxa de eficácia geral do imunizante, que consiste na comparação de quantas pessoas ficaram doentes entre os grupos de vacinados e daqueles que apenas receberam o placebo, sem recorte de grupo, ou seja, a capacidade da vacina proteger em todos os casos, informou a Jovem Pan.

A eficácia global de 50,38% inclui os casos assintomáticos da Covid-19. “Nós utilizamos a definição de caso mais abrangente possível. Outros estudos de outros fabricantes, não incluiriam como possível caso uma pessoa com dois dias de dor de cabeça, mesmo que tivesse um teste positivo de PCR, nós incluímos. Ou dois dias de coriza, nós incluímos. A gente abaixou bastante a barra para poder realmente detectar até o caso mais leve possível e isso faz uma diferença que prejudica a comparabilidade desse estudo com outros estudos”, explicou o pesquisador Ricardo Palácios.

Até o momento, não foi registrado nenhum evento adverso grave relacionado à vacinação. Reações alérgicas ocorreram em 0,3% dos participantes, não foi observada reação anafilática e sem diferenças entre grupo experimental e placebo. Segundo o Instituto, a eficácia vacinal para diminuir a Covid-19 foi demonstrada em situação de alta exposição e o efeito tende a aumentar conforme aumenta a intensidade da doença. O estudo ainda não pode terminar o efeito da CoronaVac sobre a transmissão.

Mais noticias

Slider