NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Rede pede a cassação de senador com dinheiro nas nádegas

Representação foi protocolada no Senado para que o Conselho de Ética analise possíveis crimes cometidos por Chico Rodrigues
Senador Chico Rodrigues
Senador Chico Rodrigues pediu licença do mandato de por três meses/Arquivo/Agência Senado

Depois de ser afastado das funções parlamentares pelo Supremo Tribunal Federal, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), deverá responder a uma representação no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Numa representação que deu entrada hoje (16), a Rede Sustentabilidade, do senador Randolfe Rodrigues (AP), pede a cassação do mandato parlamentar.

Chico Rodrigues teria escondido dinheiro vivo na cueca e entre as nádegas durante uma operação de busca e apreensão realizada pela Polícia Federal há dois dias. A Rede Sustentabilidade sustenta que o senador provavelmente cometeu os crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Na próxima semana, a Mesa Diretora do Senado deve apreciar a determinação de afastamento pelo ministro do STF, Luís Roberto Barroso. Enquanto o Senado não analisa a determinação, o afastamento é automático. Chico Rodrigue é bem próximo do presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (AP), e ambos são filiados ao mesmo partido, o Democratas, assim como o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (RJ).

O senador também nutre uma antiga amizade com o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido). Até ontem, Chico Rodrigues exercia a função de vice-líder do governo e empregava em seu gabinete um sobrinho do presidente. Ontem, Leonardo Rodrigues de Jesus, o Leo Índio, pediu demissão do cargo. Leo Índio foi convidado para trabalhar com Chico Rodrigues em abril, apenas um mês após o senador ser convidado pelo Presidente da República para o cargo de vice-líder do governo.

Mais noticias

Slider