NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Voto de Celso de Mello é pela presença de Bolsonaro em interrogatório

O inquérito apura a suposta interferência política na Polícia Federal e o crime de denunciação caluniosa por parte de Sergio Moro
Ministro Celso de Mello
Ministro Celso de Melo apresentou seu último relatório no plenário do STF/Arquivo

Texto de André Richter

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou hoje (08) voto favorável ao depoimento presencial do presidente Jair Bolsonaro no inquérito que apura a suposta interferência política na Polícia Federal (PF) e o crime de denunciação caluniosa por parte do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Em manifestações divulgadas desde a abertura do inquérito, o presidente Jair Bolsonaro diz que não houve pedido para o então ministro interferir em investigações da PF.

O plenário da Corte iniciou nesta tarde o julgamento do recurso no qual a Advocacia-Geral da União (AGU) pede para que seja concedido ao presidente o direito de prestar depoimento por escrito no inquérito. Após o voto de Mello, que é relator do caso, o julgamento foi suspenso. A data da retomada não foi confirmada.

No julgamento, Celso de Mello reafirmou sua decisão individual e entendeu que o presidente da República deve ser interrogado de forma presencial quando figurar como investigado. Para o ministro, de acordo com o Código de Processo Penal (CPP), o interrogatório é um procedimento presencial e a prerrogativa de ser ouvido por escrito somente pode ser concedida nos casos em que o presidente da República figure como testemunha ou vítima.

(André Richter trabalha na EBC)

Mais noticias

Slider