NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

Brasil registra 1,2 mil óbitos em 24 horas, é o segundo país com mais mortes

A contagem do Conass voltou a demonstrar diferenças em relação ao balanço diário da doença divulgado pelo Ministério da Saúde
Coronavírus Covid-19
Há uma corrida internacional em busca de uma solução para combater o Covid-19/Arquivo/News Boston

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) relatou ontem (06) que o Brasil teve 1.205 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 98.493. Segundo a contagem diária realizada pelas secretarias estaduais, foram 53.340 novos casos, somando 2.912.212 desde o início da epidemia no país. O Distrito Federal registra até agora 118 mil casos confirmados, com 2.032 novos casos entre quarta e quinta-feira. No total, o DF tem 1.651 óbitos.

Justiça suspende novamente o reinício das aulas presenciais na rede privada – #COMPARTILHE o Misto Brasília

A contagem do Conass voltou a demonstrar diferenças em relação ao balanço diário da doença divulgado pelo Ministério da Saúde. Segundo a pasta, o país teve 1.237 mortes entre quarta e a quinta-feira, totalizando 98.493. Também foram contabilizados 53.139 novas infecções, com o total acumulado de 2.912.212 casos. O ministério afirma que 2.047.660 pessoas se recuperaram da doença.

As variações nos números se explicam pela diferença no fechamento das contagens pelos dois painéis, assim como nos horários das entregas dos dados por parte de algumas cidades ou estados. Entretanto, diversas autoridades e instituições de saúde em todo o país alertam que os números da doença provocada pelo coronavírus Sars-Cov-2 devem ser maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

O que você precisa saber sobre os testes para a Covid-19 – #COMPARTILHE as nossas informações

Segundo os dados do Conass e do governo federal, a taxa de letalidade no país é de 3,4% e a de mortalidade está em 46,9. O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de casos de covid-19 oficialmente notificados, atrás somente dos Estados Unidos, que superaram a marca de 4,8 milhões de infecções.

Mais noticias

Slider