Alexandre Moraes lê os ataques aos ministros, que vão de atear fogo a estuprar filhos