Logo Misto Brasília

NEWSLETTER

Inscreva-se em nossa newsletter.

NOTÍCIAS

Maia diz que declarações de Bolsonaro foram retrocesso

Presidente da Câmara acredita que a manifestação prejudica um entendimento que estava sendo costurado desde a semana passada
Deputado Rodrigo Maia Câmara dos Deputados
Maia reclamou que Bolsonaro prejudicou entendimentos políticos criados desde a semana passada/Arquivo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse há pouco durante uma entrevista coletiva, que as declarações do presidente Jair Bolsonaro foram ruins, porque “caminham num caminho contrário do que se construiu desde a semana passada”. Para ele, há um caminho de insegurança, porque o governo precisa ter convergência entre “o que diz e o que faz”.

Maia se referia a um pedido de habeas corpus em favor do ministro da Educação, Abraham Weintraub, para não depor na Polícia Federal. Ele não quis entrar no mérito se foi o ministério “certo” para fazer o pedido, mas foi uma demonstração que a lei precisa ser respeitada. O HC foi solicitado pelo Ministério da Justiça e da Segurança Pública ao Supremo Tribunal Federal. Na opinião de alguns juristas, a solicitação deveria partir da Advocacia-Geral da União (AGU).

O presidente da Câmara disse também que “num sistema democrático, não podemos entender que só aquilo que nos agrada está correto. Tem o direito da crítica e do recurso, na Justiça e também no processo legislativo…fazendo emendas, aprovando projetos. O sistema democrático precisa ser respeitado. É preciso dar sinalização pros brasileiros e investidores estrangeiros que vivemos em uma democracia. Peço e espero que voltemos ao caminho do diálogo e respeito institucional”.

Sobre o Centrão, que é agora a base do governo no Congresso, Rodrigo Maia disse que continua valendo uma agenda reformista. “A maioria (na Câmara) tem uma agenda reformista”, como recuperar as contas públicas.

Perguntado sobre a continuidade do auxílio emergência por mais alguns meses, o presidente da Câmara sugeriu que possa ser criado um “novo orçamento”, com a alocação de recursos para a criação de um programa forma de renda mínima permanente.

Mais noticias

Slider