Koni, de Vladimir Putin

Ancelmo Gois e a maldição de Canaã

Ancelmo de Rezende Gois, sergipano, soi-disant jornalista e ex-membro militante do PCB, aprendeu – quem sabe na ex-URSS, onde passou um tempo estudando – teologias caducas a respeito dos negros. Uma delas é a que os faz eternos herdeiros da maldição de Canaã, neto de Cam, filho de Noé, sentenciando-os à escravidão e ao cativeiro (livro de Gênesis, capítulo 9, verso 25).

Por essa maldição, Canaã e seus descendentes – por essa teoria estranha, os negros – seria sempre “o último dos escravos dos seus irmãos”.  Só alguém que acredita em teologias racistas e outras teorias do mesmo naipe seria capaz de escrever uma nota como a que Ancelmo, o comunista, escreveu e publicou em O Globo, em 08.05.2020.

Nela, o jornalista compara o presidente da Fundação Cultural Palmares, negro, paulistano e de direita Sérgio Camargo, a um cachorro. Para ser mais exata, a uma cadela, a Koni, de Vladimir Putin – teria Ancelmo saudades das cadelas que conheceu na URSS?

Não sabemos exatamente de onde veio a inspiração racista de Ancelmo, o comunista, para comparar um ser humano negro a uma cadela preta, mas sabemos que o pensamento de Ancelmo está bastante alinhado ao de Karl Marx, Friedrich Engels e Che Guevara, para citar apenas três grandes comunorracistas. Para esses três, as “raças mais fracas” (os negros, os índios, os latinos – “povos piolhentos”, “povos suínos”…) deveriam ser eliminadas e as mais fortes (os alemães, os poloneses, os prussianos) dominariam.

Che Guevara, amigo do ditador Fidel Castro, escreveu: “O negro é indolente, preguiçoso e gasta seu dinheiro com frivolidades, enquanto o europeu é progressista, organizado e inteligente.”

De qualquer forma, Ancelmo, o comunorracista, não surpreende: sua notinha engraçadinha, cínica, inteligentinha, racistinha e extremamente ofensiva é mesmo a cara de sua coluna de fofocas sem graça e de seu rosto feio estampado bem na frente dela. Ancelmo Gois surpreenderia se tivesse se referido a um homem negro simplesmente pelo que ele é: um homem.