Servidores usam Lava Jato como pressão por reajuste salarial

As mais fortes categorias de servidores do Brasil estão usando a Operação Lava Jato para pressionar por reajuste salarial. São carreiras típicas do Estado que ameaçam com greve.

Em notas subsequentes e articuladas por sindicatos e entidades de classe, afirmam que há uma manobra contra a operação e usam como argumento a negativa para reajuste salarial. O mais novo componente desta “guerra sindical” é o projeto do abuso de autoridade.

Uma dessas notas é da Associação Nacional dos Magistrados Brasileiros divugada na quinta-feira. Assinada pelo presidente João Ricardo Costa, afirma que há manobra para sufocar a Operação Lava Jato, no âmbito na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

A entidade critica o adiamento de votação do projeto de “recomposição parcial dos nossos subsídios”. A manobra, diz a AMB, visa enfraquecer “não somente o Judiciário como as demais instituições que ficaram sem a recomposição de seus vencimentos – magistratura, Ministério Público, fisco federal e Polícia Federal”

A entidade mistura a mobilização por melhores salários com o projeto de lei do Senado 280/2016, que tipifica o abuso de autoridade “com tipos penais abertos e atentatórios” à independência da magistratura e do MP.

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas