Campanha de Marina também pediu dinheiro a empreiteira

Essa história do PV e da ex-candidata à presidência da República, Marina Silva, parece com o que disse Bill Clinton. Fumou mas não tragou, quando respondeu se tinha ou não experimentado maconha.

No caso de Marina, Alfredo Sirkis confirmou uma reunião com o empresário Adelmário Pinheiro (Léo Pinheiro), da OAS. Foi pedir colaboração para a da ex-candidata, hoje na Rede, assim como Sirkis.

Pinheiro prometeu aos procuradores da Lava-Jato falar sobre um pedido de contribuição para a disputa de 2010, que teria sido feito por Guilherme Leal, o vice na chapa de Marina, e paga fora da contabilidade oficial apresentada à Justiça Eleitoral.

Segundo os jornais de hoje, Sirkis afirma que, depois do encontro, Pinheiro fez duas doações, a seu pedido, de R$ 200 mil — a primeira em agosto e a segunda em setembro de 2010, totalizando R$ 400 mil.

Os repasses foram registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como contribuições para o Comitê Financeiro Único do PV no Rio de Janeiro, em vez do comitê da campanha nacional. 

Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas

Assuntos Relacionados


Informativo Misto Brasil

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo gratuito no seu e-mail, todas as semanas