Um gene zumbi contra o câncer

autor Misto Brasília

Postado em 19/08/2018 08:48:50 - 08:34:00


Elefantes são animais propensos a câncer, como os humanos, mas possuem uma proteção/Elephant

Estudo mostra que os elefantes tem um gene anticancerígeno que entra em jogo após retornar da morte

Por causa de sua longa vida e tamanho grande, os elefantes são mais propensos a desenvolver câncer do que os humanos. No entanto, esses mamíferos morrem menos por causa dessa doença do que nós. A explicação é um gene anticancerígeno que retorna da morte e é ativado quando ocorre dano ao DNA.

17% das pessoas morrem de câncer em todo o mundo, um número que cai para 5% no caso de outros mamíferos: elefantes em cativeiro, que como seres humanos, pode chegar a 70 anos de idade e têm muitos mais células potencialmente carcinogênico.

A Universidade de Chicago e Utah nos EUA começou há três anos para estudar separadamente porque poderia ocorrer esta diferença, com base no fato de que os seres humanos e elefantes têm uma cópia do gene supressor p53 tumor primário, que é capaz de reconhecer os danos irreparáveis o DNA e isso é um precursor do câncer. Isso faz com que as células danificadas morram.

Por que eles desenvolvem menos câncer? - Em um estudo, agora publicado na Cell Reports, os cientistas perceberam que os elefantes surpreendentemente têm 20 cópias de p53, então suas células são significativamente mais sensíveis ao DNA danificado e se transformam mais rapidamente em suicídio celular. Então, por que eles desenvolvem menos câncer?

A pesquisa revela que um gene anticancerígeno que retorna da morte entra em jogo aqui. "Os genes são duplicados o tempo todo", diz Vincent Lynch, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade de Chicago. "Às vezes eles cometem erros ao produzir versões não-funcionais conhecidas como pseudogenes, e muitas vezes nos referimos a eles como genes mortos", acrescenta.

A função do gene 'zumbi' - Ao estudar o gene p53 em elefantes, Lynch e seus colegas veio com um fator inibidor de leucemia chamada velha pseudogene 6 (LIF6) que tinha de alguma forma evoluiu uma nova opção e tornou-se um gene funcional. Quando ativada com p53, a função de LIF6 era reagir ao DNA danificado matando a célula.

O gene produz uma proteína que atinge, muito rapidamente, a mitocôndria - a principal fonte de energia da célula - criando buracos e causando a morte celular. "É um gene zumbi, um gene morto que volta à vida, quando é reativado por danos no DNA, mata rapidamente aquela célula, o que é benéfico porque atua em resposta a erros genéticos, cometidos quando o DNA é reparado. Ao se livrar dessa célula, você pode prevenir o câncer ", disse o especialista, que acha que esse gene pode ter ajudado os elefantes por um longo tempo, entre 25 e 30 milhões de anos atrás, de acordo com o registro fóssil.

"Esse método suplementar de suprimir o câncer pode ter sido um elemento-chave que permitiu um enorme crescimento, o que levou aos elefantes modernos", salienta Lynch. (Do El Periódico)


General nega que Michele Bolsonaro mandou tirar obras sacras do Alvorada
Incêndio atinge a Refinaria de Manguinhos (RJ)
veja +
Governador eleito do DF Ibaneis Rocha diz que não tem nenhum tipo de surpresa
Congresso deve votar Orçamento de 2019 nesta semana
Aprovado orçamento de 2019 com reajuste para agentes comunitários
veja +