Um gene zumbi contra o câncer

autor Misto Brasília

Postado em 19/08/2018 08:48:50 - 08:34:00


Elefantes são animais propensos a câncer, como os humanos, mas possuem uma proteção/Elephant

Estudo mostra que os elefantes tem um gene anticancerígeno que entra em jogo após retornar da morte

Por causa de sua longa vida e tamanho grande, os elefantes são mais propensos a desenvolver câncer do que os humanos. No entanto, esses mamíferos morrem menos por causa dessa doença do que nós. A explicação é um gene anticancerígeno que retorna da morte e é ativado quando ocorre dano ao DNA.

17% das pessoas morrem de câncer em todo o mundo, um número que cai para 5% no caso de outros mamíferos: elefantes em cativeiro, que como seres humanos, pode chegar a 70 anos de idade e têm muitos mais células potencialmente carcinogênico.

A Universidade de Chicago e Utah nos EUA começou há três anos para estudar separadamente porque poderia ocorrer esta diferença, com base no fato de que os seres humanos e elefantes têm uma cópia do gene supressor p53 tumor primário, que é capaz de reconhecer os danos irreparáveis o DNA e isso é um precursor do câncer. Isso faz com que as células danificadas morram.

Por que eles desenvolvem menos câncer? - Em um estudo, agora publicado na Cell Reports, os cientistas perceberam que os elefantes surpreendentemente têm 20 cópias de p53, então suas células são significativamente mais sensíveis ao DNA danificado e se transformam mais rapidamente em suicídio celular. Então, por que eles desenvolvem menos câncer?

A pesquisa revela que um gene anticancerígeno que retorna da morte entra em jogo aqui. "Os genes são duplicados o tempo todo", diz Vincent Lynch, principal autor do estudo e pesquisador da Universidade de Chicago. "Às vezes eles cometem erros ao produzir versões não-funcionais conhecidas como pseudogenes, e muitas vezes nos referimos a eles como genes mortos", acrescenta.

A função do gene 'zumbi' - Ao estudar o gene p53 em elefantes, Lynch e seus colegas veio com um fator inibidor de leucemia chamada velha pseudogene 6 (LIF6) que tinha de alguma forma evoluiu uma nova opção e tornou-se um gene funcional. Quando ativada com p53, a função de LIF6 era reagir ao DNA danificado matando a célula.

O gene produz uma proteína que atinge, muito rapidamente, a mitocôndria - a principal fonte de energia da célula - criando buracos e causando a morte celular. "É um gene zumbi, um gene morto que volta à vida, quando é reativado por danos no DNA, mata rapidamente aquela célula, o que é benéfico porque atua em resposta a erros genéticos, cometidos quando o DNA é reparado. Ao se livrar dessa célula, você pode prevenir o câncer ", disse o especialista, que acha que esse gene pode ter ajudado os elefantes por um longo tempo, entre 25 e 30 milhões de anos atrás, de acordo com o registro fóssil.

"Esse método suplementar de suprimir o câncer pode ter sido um elemento-chave que permitiu um enorme crescimento, o que levou aos elefantes modernos", salienta Lynch. (Do El Periódico)


Presidente da Anfip diz que é preciso taxar os privilegiados
AO VIVO Radio 247 - Summer Music
veja +
CCJ aprova fim da isenção irrestrita de custas judiciais nos juizados especiais
Novos métodos para obtenção de provas do pacote anticrime dividem opiniões
Secretário diz que é preciso resolver "buraco estrutural" para gerar empregos
veja +