Para mudar economia tem que mexer na Constituição

autor Misto Brasília

Postado em 16/08/2018 12:28:27 - 12:24:00


Candidatos prometem, mas tudo depende de mudanças na Constituição/Arquivo

Propostas econômicas apresentadas pelos presidenciáveis precisam de mudanças constitucionais

As propostas econômicas dos principais candidatos à Presidência da República para solucionar os problemas do País – divulgadas até ontem por suas equipes de campanha – dependem de alterações na Constituição de 1988, escreveu Ernani Fagundes, do DCI.

Independente da corrente ideológica (direita ou esquerda) ou de pensamento econômico (neoliberal ou desenvolvimentista), o que se observa é que os economistas que colaboram nas campanhas eleitorais dos candidatos defendem mudanças no texto constitucional logo nos primeiros meses do próximo mandato, em 2019.

Entre essas propostas estão: a reforma da Previdência Social; a reforma tributária; a flexibilização do teto dos gastos; e até mesmo, a revisão das despesas obrigatórias e benefícios fiscais; ou a revogação de legislações da gestão Michel Temer consideradas pouco eficientes para o desenvolvimento social como a reforma trabalhista.

“Terá que se enfrentar a herança recebida. O País está novamente em recessão, o PIB caiu no segundo trimestre [IBC-BR em -0,99%]. Mas são medidas que dependem do apoio do Congresso”, admite o presidente da Fundação Perseu Abramo (FPA) e economista da campanha do Partido dos Trabalhadores (PT), Marcio Pochmann.


AO VIVO - Câmara Legislativa do DF
Tempestade provoca inundação em Brasília neste domingo
veja +
Governador do Piaui aposta na unificação de pautas entre os estados
Ibaneis anuncia 37 parques nos próximos anos na entrega do Lago Cortado
LDO prevê salário mínimo de R$ 1.040 em 2020, com correção apenas pela inflação
veja +