Boatos que atingem Alckmin derrubam a bolsa de valores

autor Misto Brasília

Postado em 07/08/2018 17:42:06 - 17:40:00


Delação premiada de empreiteiras contra o tucanato assusta mercado/Arquivo

Situação assustou o mercado financeiro em acordo de leniência de executivos da CCR

O Ibovespa fechou em queda nesta terça-feira, com bancos e Petrobras entre as maiores pressões negativas, em meio a uma onda de boatos, conforme a bolsa paulista segue sensível a perspectivas relacionadas ao cenário político-eleitoral. O boato envolve a delação de executivos da CCR e pode atingir o presidenciável Geraldo Alckmin.

De acordo com dados preliminares, o principal índice de ações da B3 caiu 0,98%, a 80.255,17 pontos. O volume financeiro somava R$ 11,14 bilhões, informou o DCI.

Segundo Lauro Jardim, a empresa controlada por Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Soares Penido está negociando um acordo de leniência e delação que deve apontar repasses ilegais que teriam beneficiado tucanos graúdos como Alckmin, Aloysio Nunes e o senador José Serra.

Segundo informou há pouco o jornalista Vicente Nunes, o advogado Eduardo Carnelós, que defende Laurence Casagrande Lourenço, ex-secretário de Transportes de São Paulo, diz que é "totalmente inverídico" o boato de que seu cliente teria fechado delação com acusações a Geraldo Alckmin.


Orquestra de Brasília e o Coral 10 interpretam Cio da Terra
Governador do Pará diz que contas dos estados passarão por pente-fino
veja +
Proposta reserva vagas de instituições de ensino para pessoas com deficiência
Câmara analisa propostas para deduzir do IR despesas com remédios, óculos e próteses
Ibaneis disse que vai "colaborar" para a aprovação da reforma previdenciária
veja +