Crise e mortes mostra que o sandinismo morreu na Nicarágua

autor Misto Brasília

Postado em 21/07/2018 09:07:27 - 09:03:00


Daniel Ortega, um ex-guerrilheiro que combateu a ditadura, se tornou um déspota/Arquivo/DW

Movimento histórico teria sido pervertido para acabar nos interesses do clã Ortega

A Nicarágua lembrou na última quinta-feira o 39º aniversário da vitória da revolução sandinista. A data foi ofuscada pela crise profunda que atravessa o país latino-americano e que deixou centenas de mortos (cerca de 360 mortes) em três meses de protestos contra o presidente Daniel Ortega.

"O sandinismo histórico morreu. Ele foi sistematicamente pervertido até terminar como uma fachada, que serve para impor os interesses do clã Ortega. É um sistema clientelista, que foi financiado pela Venezuela. Além do vocabulário revolucionário, as raízes históricas foram sepultadas", diz o cientista político Günther Maihold, vice-diretor do Instituto Alemão para Política Internacional e Segurança (SWP).

José Luis Rocha, sociólogo e pesquisador da Universidade de Marburg, explica que, na década de 80, a Frente Sandinista de Liberação Nacional (FSLN) foi gradualmente cooptando os movimentos sociais no país. No mais tardar em 2007, quando Daniel Ortega retornou à presidência, eles perderam sua independência. "Sob Ortega, a Frente Sandinista demoliu o movimento social na Nicarágua e o colocou a seus pés e seu serviço", diz o especialista nicaraguense.


General nega que Michele Bolsonaro mandou tirar obras sacras do Alvorada
Incêndio atinge a Refinaria de Manguinhos (RJ)
veja +
Governador eleito do DF Ibaneis Rocha diz que não tem nenhum tipo de surpresa
Congresso deve votar Orçamento de 2019 nesta semana
Aprovado orçamento de 2019 com reajuste para agentes comunitários
veja +