Crise e mortes mostra que o sandinismo morreu na Nicarágua

autor Misto Brasília

Postado em 21/07/2018 09:07:27 - 09:03:00


Daniel Ortega, um ex-guerrilheiro que combateu a ditadura, se tornou um déspota/Arquivo/DW

Movimento histórico teria sido pervertido para acabar nos interesses do clã Ortega

A Nicarágua lembrou na última quinta-feira o 39º aniversário da vitória da revolução sandinista. A data foi ofuscada pela crise profunda que atravessa o país latino-americano e que deixou centenas de mortos (cerca de 360 mortes) em três meses de protestos contra o presidente Daniel Ortega.

"O sandinismo histórico morreu. Ele foi sistematicamente pervertido até terminar como uma fachada, que serve para impor os interesses do clã Ortega. É um sistema clientelista, que foi financiado pela Venezuela. Além do vocabulário revolucionário, as raízes históricas foram sepultadas", diz o cientista político Günther Maihold, vice-diretor do Instituto Alemão para Política Internacional e Segurança (SWP).

José Luis Rocha, sociólogo e pesquisador da Universidade de Marburg, explica que, na década de 80, a Frente Sandinista de Liberação Nacional (FSLN) foi gradualmente cooptando os movimentos sociais no país. No mais tardar em 2007, quando Daniel Ortega retornou à presidência, eles perderam sua independência. "Sob Ortega, a Frente Sandinista demoliu o movimento social na Nicarágua e o colocou a seus pés e seu serviço", diz o especialista nicaraguense.


Associação está preocupada com a proposta da previdência de capitalização
Bolsonaro diz que a reforma da Previdência é necessária
veja +
Deputados questionam propostas da Frente Parlamentar do Livre Mercado
Ibaneis diz que Brasília será um grande centro de distribuição para o Brasil
Senadores comentam crise no governo Bolsonaro
veja +