Ex-comandante das Farc pede desculpas por sequestros

autor Misto Brasília

Postado em 15/07/2018 09:07:39 - 09:01:00


A guerrilha entregou as armas após acordo de paz com o governo da Colômba/Arquivo

Afirmação de Timochenko testará a força dos acordos assinados, em Havana, com o governo colombiano

"Faremos o impossível porque eles podem saber a verdade do que aconteceu, assumiremos as responsabilidades que nos correspondem, contribuiremos o máximo possível com a sua reparação e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance, porque os eventos dessa natureza nunca mais acontecerão." 

As palavras de Rodrigo Londoño, que era conhecido como Timochenko enquanto ele estava no comando das Farc, abriram um dos capítulos mais complexos da Colômbia que procura se adaptar ao conflito pós-armado.

O primeiro caso da Jurisdição Especial pela Paz (PEC) contra a liderança do ex-guerrilheiro, iniciado na última sexta-feira, testará a força dos acordos assinados, em Havana, com o governo do ex-presidente Juan Manuel Santos para deixar para trás século de um confronto que causou mais de 200 mil mortes.

Os ex-comandantes da vontade terão que responder pelos sequestros perpetrados durante o confronto com o Estado. Londoño fez um evasivo “mea culpa” pelo papel que as Farc desempenharam naqueles anos, mas não perdeu mais uma vez a oportunidade de exigir às autoridades ex-militares e políticas que respondessem com a mesma predisposição para deixar para trás o passado de dor. "Da mesma forma, os outros atores que instigaram o ódio, a morte e o sofrimento devem agir ".


Governador do Piauí diz que Brasil precisa crescer independente da Previdência
Bolsonaro diz que pretende acabar com radares móveis nas rodovias
veja +
Bolsonaro diz no Nordeste que governadores devem apoiar a reforma da Previdência
Relator do grupo de trabalho anticrime defende endurecimento da lei penal
Deputados querem que combate ao câncer priorize o diagnóstico precoce
veja +