Um sério problema no setor elétrico

autor Misto Brasília

Postado em 14/07/2018 08:24:34 - 08:11:00


Em julho termina dinheiro do fundo do setor elétrico para distribuidoras da Eletrobras/Arquivo/Suno

Sem dinheiro, distribuidoras ligadas à Eletrobras podem deixar de prestar serviços em nos estados

Uma decisão judicial que suspendeu o leilão de privatização de seis distribuidoras da Eletrobras que operam no Norte e Nordeste, agendado para 26 de julho, pode deixar a estatal com um enorme problema, ou até mesmo resultar em aumentos tarifários para todos os consumidores de energia do país, segundo autoridades e um documento visto pela Reuters.

Isso porque a operação dessas deficitárias distribuidoras tem sido bancada por empréstimos emergenciais realizados com recursos de um fundo do setor elétrico, a chamada Reserva Global de Reversão (RGR), que só teve verbas programadas para apoiar as elétricas até julho, quando o governo antes esperava que elas já estivessem sob novos controladores.

O orçamento programado para os empréstimos da RGR à Eletrobras neste ano era de 907,8 milhões de reais, para até julho, mas se fosse necessário manter as distribuidoras da estatal até dezembro esse valor subiria para 1,57 bilhão de reais, segundo um documento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) visto pela Reuters.

As distribuidoras, que operam no Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia e Piauí, já receberam um total de R$ 4,4 bilhões em empréstimos da RGR desde que a Eletrobras decidiu não renovar seus contratos de concessão e operá-las em regime precário até a privatização. A regulação definida pelo governo para viabilizar os financiamentos prevê que as dívidas serão quitadas posteriormente, pelo novo dono das empresas.

“Nem a Eletrobras e nem a RGR têm recurso para alimentar essas distribuidoras. A privatização é a melhor opção e qualquer alternativa é muito pior para o consumidor, governo, sociedade, Eletrobras... porque todo mundo vai pagar a conta”, disse à Reuters um dos diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Tiago de Barros.

“Só tem recursos da RGR até julho, e tem que ver se surgem novas alternativas, ou se as empresas têm outra forma de se financiar”, adicionou.


Flagrante da prisão pela PF do ex-ministro Moreira Franco
Luís Miranda diz que Ibaneis falhou em não articular relator da MP da região metropolitana
veja +
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
Sancionada a Lei que estabelece idade mínima de 16 para casamento civil
Lei que permite bloquear recursos de acusados por terrorismo é sancionada
veja +