Entrevistas seriam os fatos urgentes para soltar Lula

autor Misto Brasília

Postado em 09/07/2018 07:17:01 - 07:12:00


Decisão de Favreto abriu uma crise que já estava latente no Judiciário/Arquivo/Divulgação

Foi o que disse o desembargador do TRF4 para soltar Lula e que expôs a crise dentro do Judiciário

A alegação de que o pré-candidato Lula da Silva estava impedido de participar de entrevistas, sabatinas e gravações como os demais pré-candidatos à presidência da República foi uma das condições para que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Rogério Favreto, concedesse liberdade provisória a Lula da Silva.

Rogério Favreto declarou à BBC Brasil que não exerce qualquer atividade político-partidária. “Obviamente que não tenho e nenhum magistrado pode ter”, disse. “Respondo pelas decisões com fundamentação e elas são apreciadas pelos órgãos competentes”.

O senador José Medeiros (Podemos-MT) apresentou reclamação disciplinar ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) na noite passada contra Favreto. Somente domingo, a questão da liberdade de Lula provocou sete despachos, a última assinada pelo presidente do TRF4, Thompson Flores, mantendo o ex-presidente na cadeia.

Para José Casado, em O Globo, decisão de Favreto desnudou uma crise no Judiciário. Na opinião do colunista, ela apresenta um risco real ao regime democrático. Entre outras razões porque liquefaz a confiabilidade no funcionamento do sistema judicial, cuja credibilidade já estava corroída por um histórico de confusões éticas combinado a um alto e ainda obscuro custo operacional, com baixo rendimento para a sociedade.


AO VIVO Radio 247
AO VIVO Tropical House Radio
veja +
Coordenadora diz que grupo de trabalho não vai atrasar análise do pacote anticrime
Presidente da CCJ espera "melhora do cenário político"
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
veja +