Entrevistas seriam os fatos urgentes para soltar Lula

autor Misto Brasília

Postado em 09/07/2018 07:17:01 - 07:12:00


Decisão de Favreto abriu uma crise que já estava latente no Judiciário/Arquivo/Divulgação

Foi o que disse o desembargador do TRF4 para soltar Lula e que expôs a crise dentro do Judiciário

A alegação de que o pré-candidato Lula da Silva estava impedido de participar de entrevistas, sabatinas e gravações como os demais pré-candidatos à presidência da República foi uma das condições para que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Rogério Favreto, concedesse liberdade provisória a Lula da Silva.

Rogério Favreto declarou à BBC Brasil que não exerce qualquer atividade político-partidária. “Obviamente que não tenho e nenhum magistrado pode ter”, disse. “Respondo pelas decisões com fundamentação e elas são apreciadas pelos órgãos competentes”.

O senador José Medeiros (Podemos-MT) apresentou reclamação disciplinar ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) na noite passada contra Favreto. Somente domingo, a questão da liberdade de Lula provocou sete despachos, a última assinada pelo presidente do TRF4, Thompson Flores, mantendo o ex-presidente na cadeia.

Para José Casado, em O Globo, decisão de Favreto desnudou uma crise no Judiciário. Na opinião do colunista, ela apresenta um risco real ao regime democrático. Entre outras razões porque liquefaz a confiabilidade no funcionamento do sistema judicial, cuja credibilidade já estava corroída por um histórico de confusões éticas combinado a um alto e ainda obscuro custo operacional, com baixo rendimento para a sociedade.


Temer diz em pronunciamento que torce pelo novo presidente
Governadores eleitos e reeleitos entregam carta a Bolsonaro
veja +
Universidades apoiam criação de fundo patrimonial, mas criticam trechos da MP 851
Comissão aprova isenção de IPVA a ex-proprietário de veículo
Excesso de peso em bagagens no transporte aéreo pode ter novas regras
veja +