Primeira instância recebe inquérito do “sutiãgate” contra Izalci

autor Misto Brasília

Postado em 02/06/2018 16:52:21 - 16:47:00


Deputado federal Izalci Lucas é pré-candidato ao governo do Distrito Federal/Arquivo

Pré-candidato ao governo do Distrito Federal é acusado de peculato quando era secretário distrital

A ministra do Supremo Tribunal Federal, Rosa Weber, remeteu para a primeira instância o inquérito contra o deputado Izalci Lucas (PSDB-DF), pré-candidato ao governo o Distrito Federal. O tucano responde por peculato, no âmbito do Inquérito nº 3671.

Das 12 ações que tramitavam no STF contra os deputados federais do Distrito Federal, nove foram enviadas para a primeira instância da justiça, registra o site Quid Novo.

O parlamentar é acusado de desviar, em proveito próprio e de terceiros, bens doados pela Receita Federal e pelo Tribunal de Contas da União, entre 2009 e 2010, à secretaria de Ciência e Tecnologia do Distrito Federal (SECT), quando ele era titular da pasta.

O jornalista Chico Santana lembra que o caso é conhecido como “sutiãgate”, por supostamente envolver a apropriação de nove mil sutiãs, dentre outros itens. Entre os demais itens dos lotes solicitados pelo deputado estavam cerca de 8 mil pares de meias, 2 mil vidros de perfume, 1,4 mil capinhas de celular, 870 baralhos, 720 escovas de dentes, 300 baterias de celular, 200 pulseiras, 169 máquinas de costura, 324 fixadores de dentadura, 28 varas de pescar, 12 rolos de linhas de pescar, 65 vídeo-games, além de filmadoras, calculadoras, computadores e fones de ouvido.

Oficialmente esses itens seriam utilizados no programa de Inclusão Digital, mas a suspeita do Ministério Público é que todo o material cedido pela Receita Federal tenha virado brinde distribuído em campanha eleitoral.


Manifestação contra a decisão do STF que atinge a Operação Lava Jato
AO VIVO Radio Hip Hop
veja +
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
Sancionada a Lei que estabelece idade mínima de 16 para casamento civil
Lei que permite bloquear recursos de acusados por terrorismo é sancionada
veja +