Juíza do DF faz audiência de pensão alimentícia pelo WhatsApp

autor Misto Brasília

Postado em 25/04/2018 11:41:57 - 11:28:00


Juíza Ana Louzada diz que o Direito de Família deve usar a ferramenta do app/Arquivo/OABDF

Procedimento foi autorizado pelo CNJ como forma de agilizar processos com o uso de tecnologia

O Conselho Nacional de Justiça permitiu no ano passado o uso do aplitatico WhatsApp para procedimentos administrativos na justiça, mas somente neste ano a experiência foi aplicada no Distrito Federal. A pioneira foi a juíza Ana Louzada, da 1ª. Vara de Família da cidade de Sobradinho, que fez uma audiência sobre pensão alimentícia por vídeo.

O Tribunal de Justiça do DF utiliza o WhatsApp desde 2015 para envio de mensagens, mas esta foi a primeira vez que uma audiência é feita pelo app.

A citação também foi feita pelo aplicativo. O réu mora no exterior e a outra parte não sabia o endereço, apenas o telefone. Antes da audiência, foram enviadas fotos do processo e nomeado defensor público para assistir a sessão.

“A audiência transcorreu sem qualquer prejuízo para nenhuma das partes. Ao contrário, saíram todos contentes por terem resolvido suas vidas e a do filho”, informou Ana Louzada ao Instituto de Direito de Família.

“O Direito de Família, mais do que qualquer outro, é que deve fazer uso dessa ferramenta ágil e eficaz. Ela não prejudica nenhuma das partes, pois assegura contraditório e ampla defesa. Direito que tarda não é direito, mas injustiça. Com a facilidade que dispomos hoje em dia, não há razão para que essa ferramenta não seja mais e mais utilizada nas lides forenses. As questões familiares, em regra, são todas urgentes. Assim, se dispomos de meios de agilizar os processos, por que não fazê-lo?”, pergunta a juíza.


Temer diz em pronunciamento que torce pelo novo presidente
Governadores eleitos e reeleitos entregam carta a Bolsonaro
veja +
Universidades apoiam criação de fundo patrimonial, mas criticam trechos da MP 851
Comissão aprova isenção de IPVA a ex-proprietário de veículo
Excesso de peso em bagagens no transporte aéreo pode ter novas regras
veja +