Gilmar é elogiado, mas se esquiva de pergunta sobre Lula

autor Misto Brasília

Postado em 18/01/2018 16:29:38 - 16:21:00


Gilmar Mendes sorri ao ser criticado em Portugal por duas brasileiras/Arquivo

Não só de críticas vive Gilmar Mendes durante férias em Portugal, houve quem reconhecesse o que faz

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, ouviu elogios durante sua estada em Lisboa. Na terça-feira, 16, três dias depois de ser hostilizado por duas brasileiras quando passeava no Chiado, o ministro foi abordado por um homem no interior de uma loja no shopping El Corte Inglês, na capital portuguesa. Mas se esquivou de responder a outro brasileiro o que pensava sobre o caso do ex-presidente Lula da Silva.

“Ministro, prazer grande conhecê-lo, apertar sua mão e entender o que o sr está fazendo pelo Brasil”, disse o homem. “Poucos brasileiros conseguem entender, tá certo? É a garantia da liberdade, a garantia dos direitos.” Gilmar respondeu: “Momento difícil”. O ministro do Supremo agradeceu e continuou o passeio, segundo Estadão online.

Numa outra oportunidade, ele conversou com um rapaz em um restaurante. “Em relação ao presidente Lula, qual é a sua opinião?”, indagou o jovem. “Essa matéria terá que ser decidida pelos tribunais. A rigor é uma questão que tem que ser decidida pelos tribunais. Obviamente, no Brasil há recursos e é importante que haja recursos para tribunais superiores”, disse o ministro, esquivando-se da pergunta.

Passando as férias em Lisboa desde o Natal, no último sábado, ele havia sido hostilizado por duas brasileiras, inclusive com gravação em áudio das saias justas. Foi questionado se não tinha vergonha de seu comportamento.


Orquestra de Brasília e o Coral 10 interpretam Cio da Terra
Governador do Pará diz que contas dos estados passarão por pente-fino
veja +
Proposta reserva vagas de instituições de ensino para pessoas com deficiência
Câmara analisa propostas para deduzir do IR despesas com remédios, óculos e próteses
Ibaneis disse que vai "colaborar" para a aprovação da reforma previdenciária
veja +