Policial que denunciou grampo no Senado é demitido

autor Misto Brasília

Postado em 15/01/2018 13:07:10 - 12:54:00


Policial Igor foi demitido por supostamente descumprir deveres funcionais/Arquivo/Redesocial

Demissão foi publicada hoje no Diário Oficial da União após conclusão de um processo administrativo

Foi publicado na edição desta segunda-feira (15) no Diário Oficial da União, a demissão do policial legislativo Paulo Igor Bosco Silva, lotado na Coordenação de Benefícios Previdenciários da Secretaria e Gestão de Pessoas do Senado Federal. Ele teria descumprido deveres funcionais, segundo investigação da Primeira Secretaria da Mesa Diretora, que abriu uma investigação administrativa.

Paulo Igor foi o delatar ao Ministério Público Federal das varreduras em escutas telefônicas em imóveis particulares e funcionais de senadores.  O processo administrativo foi aberto em agosto de 2016 a pedido do diretor da Polícia Legislativo, Pedro Ricardo Araújo, sob a acusação de Igor dar aulas no em um cursinho preparatório para concursos em horário em que deveria dar expediente no Senado. Na época, Igor negou que estivesse dando aulas e que seu nome aparecia no site do cursinho como uma forma de propaganda para atrair a clientela.

Pedro e mais três policiais legislativos (Geraldo Cesar de Deus OliveiraEverton Taborda e Antonio Tavares) foram presos pela Polícia Federal em setembro de 2016 acusados de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato contra os senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR), Édison Lobão (MDB-MA), Renan Calheiros (MDB-AL), Fernano Collor (PTC-AL), José Sarney (MDB-MA) e outros congressistas que solicitaram a varredura. O processo contra Igor teria sido turbinado após a prisão dos colegas.


AO VIVO - Câmara Legislativa do DF
Governador do Piauí diz que o fundo de segurança precisa de recursos
veja +
Aprovado relatório final sobre Estatuto do Idoso
Nova lei destina verba das loterias para a Segurança
Senado aprova Política Nacional e Livro Branco da Defesa
veja +