2018 – Qual a nossa missão?

autor Misto Brasília

Postado em 28/12/2017 19:02:08 - 18:51:00


Encontros casuais nos jogam em uma determinada direção/Arquivo/Pixabay

Acredito que primeiramente precisamos nos ater aos pequenos detalhes, pois nossa vida é de detalhes

Texto de Renato Candemil 

Estamos entrando em um novo ano, e por conta disso, começo esse artigo com uma pequena pergunta: 2018 – Qual a nossa Missão?

Não seria o momento de aproveitarmos essa passagem de ano para exercitarmos uma reflexão diferente, expandindo nossa percepção para a busca de uma melhor consciência espiritual?

Em meu livro “Uma jornada em busca da verdade espiritual” (Ed. Insular, 2017), cito uma frase de autoria desconhecida: “Não devemos nascer por nascer, viver por viver ou morrer por morrer”. Simples assim.

Que todos nós em 2018 possamos fazer um ano diferente, buscando sob o prisma da espiritualidade, expandir nossa percepção para os episódios que acontecem ao nosso redor.

Quantas vezes aqueles acontecimentos que num primeiro momento nos parecem totalmente casuais, nos colocam frente a frente com pessoas que de repente nos jogam em uma determinada direção, propiciando uma importante mudança em nossas vidas.  A maioria de nossas ações cotidianas são fruto do que acontece no campo da racionalidade, mas algumas, senão muitas também acontecem sob o prisma da espiritualidade”. (trecho do livro).

Para descobrirmos qual será nossa missão em 2018, acredito que primeiramente precisamos nos ater aos pequenos detalhes. Nossa vida é feita de pequenos detalhes e, esses pequenos detalhes, mudam uma existência toda. Não devemos desprezar os pequenos acontecimentos, pois pequenos momentos inauguram e propiciam as grandes realizações.

Que no próximo ano, nossa missão seja a de construir uma ponte entre o visível e o invisível, entre o nosso contexto diário de nossa pequena vida terrestre e o contexto dos reinos misteriosos do alto.

A espiritualidade elevada e o autoconhecimento certamente, e não tenho dúvida alguma disso, são a chave para a auto evolução, propiciando assim a melhor convivência coletiva e por consequência o desenvolvimento de um mundo melhor.

E como disse Pierre Teilhard de Chardin, jesuíta, filósofo e teólogo do passado, ao demonstrar a integração entre a ciência e a espiritualidade: Não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana.

Fica a dica e bom 2018! (Renato Candemil é advogado e autor do livro "Uma jornada em busca da verdade espiritual)


Fraga diz que haverá motim se for extinta Casa Militar no DF
Exército lembra Stan Lee em homenagem que fez aos soldados em 2016
veja +
Pode virar lei proposta que facilita concessão de benefícios a pessoas com lúpus ou epilepsia
Comissão de Agricultura aprova política de incentivo à produção de etanol
Escolas públicas podem ser obrigadas a exibir resultados no Ideb
veja +