O terror é um leão que urra muito, mas mata pouco

autor Misto Brasília

Postado em 05/07/2016 09:55:37 - 09:44:00


Ataque do grupo Al-Shebab, na Somália/Lusa

Terrorismo é quantitativamente menos violento que outras guerras e mazelas

Texto do jornalista e filósofo Fabiano Lana

Querem uma informação contraintuitiva? O terrorismo é uma das formas de guerra menos letais do ponto de vista histórico, talvez a quantitativamente menos violenta.

Entre 1998 e 2012 o terror doméstico matou menos de 3 mil pessoas por ano, segundo a compilação de Steven Pinker no fundamental livro sobre violência "Os anjos bons de nossa natureza". (Na página 470.)

Se a média de mortos por terrorismo doméstico chegar a 20 mil anuais, continuará estatisticamente baixa em comparação com outras mazelas tão devastadoras, mas menos badaladas.

Para fazer uma comparação, apenas em 2014 foram assassinadas 58,5 mil pessoas no Brasil. A Guerra do Paraguai matou 400 mil em pouco mais de cinco anos.

A força do terrorismo está na onda de insegurança, na força midiática e na intimidação. Inclusive, apesar do Estado Islâmico, a quantidade de mortes absolutas por todo tipo de terrorismo atingiu seu auge foi em meados dos anos 80 (Na página 481.)

Para quem gosta de teoria dos argumentos, a força do terrorismo é apostar em uma espécie de "falácia da percepção". E são bem-sucedidos.


Festa de aniversário de João de Deus que agora é acusado de molestar mulheres
Bolsonaro faz reunião com a bancada do PRB na Câmara
veja +
Everardo Gueiros, da Secretaria da Cidadania, diz que o “Na Hora” vai mudar de nome
Vice-governador eleito do DF, Paco Britto, disse que a meta é reduzir 20% de comissionados
Comissão especial aprova proposta de nova lei das licitações
veja +