Polêmica da exposição Queermuseu chegou na Câmara

autor Misto Brasília

Postado em 12/09/2017 21:08:32 - 21:00:00


Plenário da Câmara dos Deputados na terça-feira à noite/Luís Macedo/Agência Câmara

Deputados batem boca no plenário num debate religioso e moral que chegou nas redes sociais

Como era esperado, a polêmica em torno da exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira ganhou esta noite o plenário da Câmara dos Deputados. De um lado os evangélicos e representantes da Igreja Católica e de outro os chamados parlamentares de esquerda, que afirmaram que o evento que ganhou as redes sociais não é uma apologia à pornografia, à zoofilia ou à pedofilia.

O mais ferrenho defensor do evento, como sendo uma manifestação artística, foi o do deputado Jean Willys (PSol-RJ). Ele chamou os colegas de corruptos, falsos moralistas e de outros adjetivos. E disse se for levado ao pé da letra, até o crucifixo no alto do Parlamento seria uma “apologia à tortura”.

O deputado Takayama (PSC-PR) pediu que os correntistas encerrassem suas contas no banco Santander como protesto à exposição. A Fundação Santander foi um dos patrocinadores da exposição de 270 obras de 90 artistas em Porto Alegre.

A polêmica cresceu porque algumas das obras supostamente promoviam blasfêmia contra símbolos religiosos e também apologia à zoofilia. A exposição foi viabilizada pela captação de R$ 800 mil por meio da Lei Rouanet.

Não é a primeira vez que obras causam uma chuva de reclamações e são censuradas. Em 2006, o Banco do Brasil retirou do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro a obra Desenhando em Terços, da artista plástica Mácia X, que mostrava a foto de dois terços que desenhavam dois pênis e formavam também uma cruz.


AO VIVO Radio 247
AO VIVO Tropical House Radio
veja +
Coordenadora diz que grupo de trabalho não vai atrasar análise do pacote anticrime
Presidente da CCJ espera "melhora do cenário político"
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
veja +