Polêmica da exposição Queermuseu chegou na Câmara

autor Misto Brasília

Postado em 12/09/2017 21:08:32 - 21:00:00


Plenário da Câmara dos Deputados na terça-feira à noite/Luís Macedo/Agência Câmara

Deputados batem boca no plenário num debate religioso e moral que chegou nas redes sociais

Como era esperado, a polêmica em torno da exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira ganhou esta noite o plenário da Câmara dos Deputados. De um lado os evangélicos e representantes da Igreja Católica e de outro os chamados parlamentares de esquerda, que afirmaram que o evento que ganhou as redes sociais não é uma apologia à pornografia, à zoofilia ou à pedofilia.

O mais ferrenho defensor do evento, como sendo uma manifestação artística, foi o do deputado Jean Willys (PSol-RJ). Ele chamou os colegas de corruptos, falsos moralistas e de outros adjetivos. E disse se for levado ao pé da letra, até o crucifixo no alto do Parlamento seria uma “apologia à tortura”.

O deputado Takayama (PSC-PR) pediu que os correntistas encerrassem suas contas no banco Santander como protesto à exposição. A Fundação Santander foi um dos patrocinadores da exposição de 270 obras de 90 artistas em Porto Alegre.

A polêmica cresceu porque algumas das obras supostamente promoviam blasfêmia contra símbolos religiosos e também apologia à zoofilia. A exposição foi viabilizada pela captação de R$ 800 mil por meio da Lei Rouanet.

Não é a primeira vez que obras causam uma chuva de reclamações e são censuradas. Em 2006, o Banco do Brasil retirou do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro a obra Desenhando em Terços, da artista plástica Mácia X, que mostrava a foto de dois terços que desenhavam dois pênis e formavam também uma cruz.


Fraga diz que haverá motim se for extinta Casa Militar no DF
Exército lembra Stan Lee em homenagem que fez aos soldados em 2016
veja +
Pode virar lei proposta que facilita concessão de benefícios a pessoas com lúpus ou epilepsia
Comissão de Agricultura aprova política de incentivo à produção de etanol
Escolas públicas podem ser obrigadas a exibir resultados no Ideb
veja +