Estupros e decadência moral

autor Maya Félix

Postado em 04/09/2017 10:01:28 - 09:54:00


Para a nossa colaboradora é o fundo do poço/Arquivo/CovildaDiscórdia

Até quando vamos suportar o circo de horrores diário que se tornou o Brasil?

Muitos se manifestam contra o criminoso que ejaculou na cara de uma mulher e poucos falam da bebê de sete meses estuprada num motel. Eu não sei nem o que dizer de uma barbaridade inominável que é um pedófilo estuprar uma neném de sete meses.

E a mãe dela estava lá.

Alguns sites tratam os dois criminosos, presos em flagrante, como "suspeitos". É realmente o fundo do poço. Até quando vamos suportar o circo de horrores diário que se tornou o Brasil? Desde que o PT chegou ao poder, o país entrou em decadência.

Essa é a verdade que muitos brasileiros ainda não viram: decadência moral, decadência ética, decadência de valores e princípios - é isso o que tem representado a esquerda no poder, nas universidades, nas escolas, em todo lugar em que se estabelece.

Na foto de divulgação da imprensa, os dois criminosos, pedófilo e "mãe", estavam "protegidos", usando toucas que escondiam suas identidades. Esta é a Nação que protege os maus e castiga os bons.

Deviam ter suas caras imundas expostas em toda a mídia. Deviam ser punidos à altura, mas, do maior ao menor, o Brasil premia os bandidos. Estão todos lá, relativizando tudo, servos de leis caducas e assassinas.

Estão todos lá, entupidos de salários acima do teto, com um milhão de auxílios, enquanto nós pagamos suas contas no final do mês. Para que coloquem em liberdade estupradores, para que protejam pedófilos e o dono da Friboi, para que ajudem parricidas e enviem o assassino de Hélio para a Suíça. Para que protejam o Champinha e cuspam na memória de Lianna e Felipe.

É para isso que pagamos.


Música AO VIVO na 247
PEC da Bengala não ajuda, diz o presidente da Câmara
veja +
Governo e oposição divergem sobre valor proposto para o salário mínimo
Proposta para regularizar alojamentos de atletas em todo o país
Entidades e parlamentares criticam possíveis mudanças na Previdência
veja +