A extinção de línguas nativas no Brasil

autor Misto Brasília

Postado em 26/07/2017 08:51:00 - 08:49:00


Jovens indígenas serve de guia na Casa do Índio em Brasília/Arquivo/Agência Brasília

Na época do descobrimento existiam mil línguas. Hoje, só restam 181 e correm risco de extinção

O patxôhã está entre as línguas indígenas faladas no Brasil. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística estimou 274 no último censo. A publicação Povos Indígenas no Brasil 2011/2016, do Instituto Socioambiental, calcula 160. Antes da chegada dos portugueses, elas totalizavam mais de mil.

Já o Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), divulgada em março de 2016, diz que restam hoje 181 línguas, 115 faladas por menos de mil pessoas. Todas, em diferentes graus, enfrentam risco de extinção.

No Rio de Janeiro, desde 2009, um projeto no Museu do Índio trabalha na documentação das línguas existentes. A tarefa é "urgente”, classifica José Carlos Levinho, diretor do museu e antropólogo.

Na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), um curso de extensão tenta dar visibilidade a uma língua amplamente falada no passado pelos povos da Amazônia, o nheengatu. "A língua corria risco de entrar em extinção”, comenta Elenise Pinto de Arruda, diretora de Ações Afirmativas da Ufopa.

Para a professora indígena Sameary Pataxó, a falta de apoio traz também outra mensagem. "O governo não faz questão da nossa presença na sociedade. Para ele, não somamos. Nós somos preservadores, e o governo não quer isso. Quer pessoas que dão apenas renda, que destroem a natureza, que matam, que tiram tudo o que é área de preservação. E a nossa intenção é preservar. É a intenção deles é de destruir”, pontua.  (Da DW)


Temer diz em pronunciamento que torce pelo novo presidente
Governadores eleitos e reeleitos entregam carta a Bolsonaro
veja +
Pré-sal, royalties, precatórios e Jovem Senador são destaques do Plenário
Kajuru vai propor medidas para investigar a CBF
Universidades apoiam criação de fundo patrimonial, mas criticam trechos da MP 851
veja +