Uma conversa proibida

autor Misto Brasília

Postado em 11/06/2019 08:30:08 - 08:15:00


A esquerda ampliou os ataques ao ministério Sérgio Moro/Arquivo/Divulgação

Divulgação das conversas entre Sérgio Moro e Dallagnol não quer dizer que Lula da Silva é inocente

"Um conluio absurdo entre o Judiciário e o Ministério Público”: assim o cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getúlio Vargas, classifica as conversas mantidas entre o então juiz Sérgio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol, quando integravam a força-tarefa da Operação Lava Jato. "Em qualquer outro país seria um escândalo para o ministro renunciar hoje e para o procurador sofrer um processo administrativo hoje", completa Praça, em entrevista à DW.

Ha pouco, Moro disse que "lém de juízes e procuradores, jornalistas também tiveram celulares hackeados pelo mesmo grupo criminoso". Ele anexou um texto de O Globo em seu post no Twitter sobre o vazamento.

Para o cientista político, as conversas tornadas públicas pelo site Intercept são "as mais estarrecedoras desde o mensalão, em 2005". Mas Praça não acredita que Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro, estaria ameaçado no cargo. "A popularidade dele impede que isso aconteça."

Tanto Moro quanto a força-tarefa da Lava Jato rejeitaram as acusações de que as conversas teriam sido ilegais. "A Lava Jato é contra a corrupção, seja de quem ela for", disse Dallagnol em vídeo publicado na segunda-feira (veja ao lado, na seção vídeo).

O corregedor do Conselho Nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel, decidiu na segunda-feira apurar se Dallagnol e outros integrantes do Ministério Público que integram a Lava Jato cometeram "falta funcional" em razão de troca de mensagens.

Moro se justificou à imprensa ontem, em Manaus. "Juízes conversam com procuradores, advogados e policiais. Isso é algo absolutamente normal, e eu não dei orientação nenhuma", afirmou.

O juiz afirmou não poder dizer se as conversas divulgadas pelo site são verdadeiras: "São coisas que aconteceram, se é que aconteceram, há anos. Eu não tenho mais estas mensagens, pois não as guardo", afirmou.

O cientista político Praça diz, porém, que não é normal que juízes e investigadores se comuniquem dessa forma. "Isso é um absurdo. Se isso é normal no Brasil, eles são corruptos, pois isso é um crime no Brasil. O juiz é imparcial e não pode aconselhar ou construir provas junto com as outras partes."

O caso pode jogar uma sombra sobre o trabalho da Justiça no Brasil. "Mas isso não torna Lula inocente, mesmo que Sérgio Moro e Daltan Dallagnol tenham combinado etapas da investigação", diz Praça. O ex-presidente ainda enfrenta uma série de outros processos. "Os fatos criminosos não mudam. Mas é claro que são problemas do rito processual."

Para o cientista político, é um escândalo que Moro e a Lava Jato, em sua opinião, tenham influenciado a eleição de outubro de 2018 com restrições contra Lula e o PT. "Evidentemente torcendo contra e prejudicando de uma maneira consciente uma candidatura, falando que o país precisa do PT fora do poder – se isso não é um crime, não sei o que é."

Praça se diz impressionado com o que considerou uma inicialmente baixa repercussão do caso na imprensa brasileira. Se o vazamento tivesse sido feito por um site de um grande jornal, afirma ele, teria sido levado mais a sério de imediato.

"Mas a imprensa brasileira tem muita inveja do Glenn Greenwald, e ele tem um histórico de militante da esquerda, que o torna, para uma parte da imprensa, uma pessoa não confiável. Mas o trabalho dele é absolutamente excepcional."

Ainda não se sabe quem foi o hacker que invadiu os celulares de Moro e da Lava Jato. Em nota, procuradores da força-tarefa disseram se tratar "dos mais graves ataques à atividade do Ministério Público, à vida privada e à segurança de seus integrantes". 

Para Praça, não é tão importante neste momento que as informações tenham sido obtidas de forma ilegal. "Pouco importa quem invadiu o celular, as informações são de amplo interesse público", afirma. "Da mesma maneira, Sérgio Moro grampeou Lula e Dilma e divulgou a conversa entre os dois. Na época, eu aplaudi. Agora, quando ferra eles, aí é ruim." 

Também houve reações do Supremo Tribunal Federal (STF) à publicação. "É ruim para a imagem do juiz Sergio Moro como candidato a uma cadeira no Supremo. Hoje eu tenho dúvidas até se ele termina o governo aí ministro da Justiça, mas vamos esperar", disse o ministro Marco Aurélio Mello à Veja.

Seu colega Gilmar Mendes liberou, na segunda-feira, o julgamento de um habeas corpus que questiona a atuação de Sérgio Moro, e de um outro habeas corpus sobre a atuação do ministro do STJ Felix Fischer no caso do triplex do Guarujá, que resultou na condenação de Lula. Sobre ambos os casos pode haver uma decisão já nesta terça-feira.

O clima entre uma parte dos juízes, de um lado, e Moro e a Lava Jato, do outro, é considerado envenenado há muito tempo. Agora, diz Praça, a reputação de todo o Judiciário brasileiro pode sofrer com enormes danos. "É um horror descobrir que, para prender corruptos, foi necessária muita corrupção. Você não pode fazer conluio entre poderes para prender corruptos."


Treinamento de incêndio no Congresso Nacional nesta sexta-feira - parte dois
Treinamento de incêndio no Congresso Nacional nesta sexta-feira
veja +
Ibaneis fiz que sem reforma da Previdência DF será prejudicado
Presidente da comissão quer votar reforma da Previdência até fim de junho
Especialistas apontam relação entre gordura trans e aumento de doenças cardiovasculares
veja +