Justiça do DF proíbe comemorações do golpe e porta-voz não comenta

autor Misto Brasília

Postado em 29/03/2019 21:01:57 - 20:55:00


Quarteis lembraram hoje o golpe de 1964 como sendo um ato cívico/Arquivo

magistrada reitera a necessidade de “serenidade e equilíbrio das instituições” no país

A juíza Ivani Silva da Luz, da 6ª Vara da Justiça Federal em Brasília, proibiu nesta sexta (29) as comemorações do aniversário de 55 anos da instituição do regime militar no domingo (31). Em nove páginas, a magistrada reitera a necessidade de “serenidade e equilíbrio das instituições” no país. A ação foi movida pela Defensoria Pública da União (DPU).

"Defiro o pedido de tutela de urgência para determinar à União que se abstenha da ordem do dia alusiva ao 31 de março de 1964, prevista pelo ministro da Defesa e comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica", decidiu. Por recomendação do presidente Jair Bolsonaro, as unidades militares devem ler a ordem do dia para relembrar a data, que teve início o período militar, que durou 21 anos (1964 a 1985).

O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse, a respeito da decisão, que o governo não tinha nada a comentar. "O que nós tínhamos falado ao longo da semana foi colocado de forma clara. Não temos mais nada a adiantar", afirmou, segundo ublicou a Agência Brasil.


Ibaneis bate boca com deputados distritais da oposição sobre escolas militares
AO VIVO TV Câmara Legislativa
veja +
Maia vai instalar nesta quarta comissão para discutir novas regras para o saneamento
Deputados cobram desbloqueio de recursos para a educação
Presidente da Cobap, Warley Gonçalves, sugere uso da máquina para reeleição
veja +