As mais belas bibliotecas do mundo

autor Misto Brasília

Postado em 12/01/2019 12:38:25 - 12:29:00


Real Gabinete Português de Leitura, no Rio é uma das mais belas bibliotecas do mundo/Massimo Listri

Livro que convida à viagem que é em si mesmo um destino para bibliófilos, aponta uma delas no Brasil

Texto de Lucinda Canelas

Sempre que os jornais internacionais publicam listas das mais belas bibliotecas do mundo, é certo que nesse clube altamente exclusivo há pelo menos um membro português. E logo entre os primeiros.

Desta vez, e ainda que o pretexto do mais recente ranking seja um livro The World´s Most Beautiful Libraries (Taschen, 2018), um coffee table book que convida à viagem e que é em si mesmo um destino para bibliófilos — há três, e um deles “mora” no Brasil: o Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro, uma instituição que recentemente passou por grandes dificuldades e cuja atividade se deve hoje em boa parte a portugueses e lusodescendentes; a Biblioteca Joanina, em Coimbra; e a do palácio-convento de Mafra.

Este volume de 550 páginas é uma edição trilingue (inglês, alemão e francês) em que a fotografia do florentino Massimo Listri assume todo o protagonismo, relegando para segundo plano os textos de Georg Ruppelt, diretor de bibliotecas e autor de dezenas de monografias em torno da história do livro e da cultura, e de Elisabeth Sladek, uma acadêmica que se especializou em arte e arquitetura do barroco.

O Real Gabinete Português de Leitura fica na Rua Luís de Camões, no centro do Rio de Janeiro. A sua construção, aliás, começou em 1880 precisamente para assinalar os 300 anos da morte do poeta de Os Lusíadas e deveu-se à iniciativa de 43 portugueses imigrantes, muitos deles homens de negócios, outros refugiados políticos, explica Elisabeth Sladek.

O seu interior, onde hoje está a maior coleção de livros portugueses fora de Portugal, é uma homenagem ao gótico tardio. O teto e as estantes deste gabinete de leitura que tem um gigantesco pé direito — os livros distribuem-se por três níveis — contrastam com as paredes de tom verde e a fachada que Listri não fotografa evoca o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

Muito diferente no aspecto e no acervo das duas bibliotecas nacionais deste The World’s Most Beautiful Libraries, o gabinete e os seus mais de 350 mil volumes continuam à guarda de instituições ligadas à diáspora, como a Escola Portuguesa do Rio de Janeiro, e nele não se sente tanto o peso da história como em Mafra ou em Coimbra.

A primeira pedra da Biblioteca Joanina, construída a mando de D. João V (1689-1750), foi lançada a 17 de Julho de 1717, dando-se a obra como praticamente concluída 11 anos depois. Ainda que seja uma biblioteca implantada numa universidade, o seu ambiente — as estantes de madeira escura ricamente decoradas em dourados, o chão de pedra com padrão geométrico, os arcos sumptuosos que dividem os três espaços onde estão guardados 250 mil volumes, e os tetos pintados — é o de uma biblioteca palaciana, sendo esta atmosfera de requinte e representação do poder real reforçada pelo retrato do monarca que tem lugar de destaque ao fundo do corredor central que a atravessa, executado por Domenico Duprà, pintor da corte.

Massimo Listri, que se tem vindo a dedicar à fotografia de arquitetura, sobretudo a que regista os interiores luxuosos de palácios e villas, e publicou já 70 livros, parece ter encontrado no universo das mais antigas e notáveis bibliotecas dos continentes europeu e americano um desafio à altura da sua experiência.

O resultado do seu trabalho, associado aos textos breves de Ruppelt e Sladek (há um pequeno artigo para cada biblioteca), pode ver-se neste volume que apresenta ao leitor 55 espaços, alguns deles com áreas de acesso muitíssimo restrito, como a Biblioteca Apostólica Vaticana, na cidade dos Papas, fundada por volta de 1450 (o atual edifício é do final do século XVI) e paradigma da associação destas instituições à investigação e à produção de conhecimento ao longo dos séculos.

Com cerca de 2,4 milhões de itens à sua guarda, entre eles 1,8 milhões de manuscritos e livros impressos muito raros, é desde o ano passado dirigida pelo arcebispo português José Tolentino de Mendonça e em The World’s Most Beautiful Libraries é a primeira numa lista de 17 bibliotecas de Itália, de longe e naturalmente o país que mais atrai a objetiva de Massimo Listri.

Nápoles, Florença, Roma e Veneza são outras das cidades de paragem obrigatória neste livro que abre precisamente com o capítulo voltado para a Europa do Sul, onde se inserem Portugal e Espanha, esta última com o Arquivo Geral das Índias (Sevilha) e a biblioteca do Mosteiro do Escorial (Madrid).

Nos capítulos seguintes, encontramos instituições dispersas por mais 13 países, com a Alemanha e a Áustria a mostrarem de que forma souberam fazer da construção de bibliotecas de ambientes luxuosos e com ambiciosos acervos um espelho da sua prosperidade e do compromisso com o saber de alguns dos seus principais mosteiros e abadias.

A mais antiga das bibliotecas fotografadas, a da abadia beneditina de São Galo, na Suíça, foi construída em meados do século VIII, embora já antes houvesse “coleções de livros” na Europa, escreve Georg Ruppelt, num texto introdutório a que deu o título de Memória do Mundo. Memória do Mundo é precisamente o nome do programa da UNESCO (sigla em inglês da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) em que figuram livros, manuscritos e outros documentos únicos que são testemunhas de importantes momentos históricos ou refletem o gênio criador do homem, hoje à guarda de prestigiados museus, arquivos e bibliotecas internacionais, e alguns deles referidos ou reproduzidos neste volume.

(Lucinda Canelas trabalha no Público)


Passageiros filmam avião em chamas nesta tarde em Belo Horizonte
Guedes fala em antecipar receitas para os governadores
veja +
Ibaneis volta a dizer que não quer o chefão do PCC no DF e pede fechamento de presídio
Coordenadora diz que grupo de trabalho não vai atrasar análise do pacote anticrime
Presidente da CCJ espera "melhora do cenário político"
veja +