Toffoli pede para investigar a “vergonha do Supremo”

autor Misto Brasília

Postado em 05/12/2018 22:42:01 - 22:36:00


Lewandowski e o corporativismo do Judiciário acham que o STF foi agredido/Arquivo

Num desperdício de dinheiro público, caso vai parar na PGR e Ministério da Segurança Pública

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, pediu hoje (5) que a Procuradoria-Geral da República (PGR) tome providências sobre o caso envolvendo o ministro Ricardo Lewandowski e um advogado durante um voo entre São Paulo e Brasília.

Veja as imagens na Seção Vídeo ao lado

Em um comunicado enviado à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, Toffoli ainda informou que fez o mesmo pedido ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. No texto do ofício, o presidente cita “ofensas dirigidas ao Supremo”.

O caso envolveu o advogado Cristiano Caiado de Acioli, de 39 anos. Na manhã de ontem, conforme vídeo divulgado na internet, Acioli estava sentado próximo ao ministro, na primeira fila do avião, e chama por Lewandowski, que mexia no celular na mesma fileira, e diz: “Ministro Lewandowski, o Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando vejo vocês”.

Em manifestação corporativista, a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Associação dos Magistrados do Distrito Federal (Amagis-DF), Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM) e Associação dos Juízes Federais (Ajufe) divulgaram nota hoje  em apoio ao ministro Lewandowski. (Da ABr)


Presidente da Anfip diz que é preciso taxar os privilegiados
AO VIVO Radio 247 - Summer Music
veja +
CCJ aprova fim da isenção irrestrita de custas judiciais nos juizados especiais
Novos métodos para obtenção de provas do pacote anticrime dividem opiniões
Secretário diz que é preciso resolver "buraco estrutural" para gerar empregos
veja +