Grupo RBS é denunciado por irregularidades no Carf

autor Misto Brasília

Postado em 03/12/2018 15:09:47 - 14:49:00


Grupo de comunicação teria sido beneficiado em mais de meio bilhão de reais no Carf/Arquivo

O documento cita o deputado Afonso Motta e o ministro do Tribunal de Contas da União Augusto Nardes

O grupo de comunicação RBS (Rede Brasil Sul) foi denunciado pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal à 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, no âmbito das investigações da Operação Zelotes. O processo encaminhado na última sexta-feira envolve 14 pessoas que irão responder pelos crimes de corrupção passiva, lavagem ou ocultação de bens e valores.

O documento enviado à Justiça cita a suposta participação do deputado federal Afonso Motta, ex-diretor jurídico do grupo de comunicação RBS, e do ministro do Tribunal de Contas da União Augusto Nardes nas negociações junto ao Carf. No entanto, tais envolvidos não foram denunciados, por serem alvo de investigações perante o Supremo Tribunal Federal.

O grupo que possui rádios, jornais e televisões é suspeito de ter se beneficiado pelo cancelamento irregular de uma dívida de mais de meio bilhão de reais, e a atuação irregular de empresas de consultoria, como a SGR e N&P, segundo o MPF. Entre 2011 e 2012 a RBS teria pago quase R$ 12 milhões à SGR e R$ 2,5 milhões à N&P Consultoria, referentes aos supostos serviços de “consultoria” tributária prestados.

Os procuradores da República, Frederico Paiva e Alexandre Miguel disseram que é possível ainda verificar trocas de e-mails e negociações de contratos dissimulados para conferir caráter lícito aos valores repassados em transações ilegais. 


Flagrante da prisão pela PF do ex-ministro Moreira Franco
Luís Miranda diz que Ibaneis falhou em não articular relator da MP da região metropolitana
veja +
Senado vai votar permissão para pais que estudam ficarem com filhos na sala de aula
Sancionada a Lei que estabelece idade mínima de 16 para casamento civil
Lei que permite bloquear recursos de acusados por terrorismo é sancionada
veja +