Usamos somente 10% do cérebro?

autor Misto Brasília

Postado em 25/11/2018 10:57:29 - 10:47:00


Não há uma área, mas múltiplas estruturas cerebrais, segundo os cientistas/Reprodução/Público

A origem do mito pode ser encontrada numa categorização pelo Nobel da Medicina de 1981 Roger Sperry

Texto de Camilo Soldado

Sabia que apenas usamos 10% do potencial do cérebro? Sabia que o hemisfério direito está mais associado à criatividade e o esquerdo à lógica? Sabia que beber menos de seis a oito copos de água por dia pode fazer o cérebro encolher? Na realidade, nenhuma destas questões está fundamentada.

“Se quiserem irritar fortemente um cientista basta dizer isto: a maioria das pessoas usa cerca de 10% do seu cérebro”, começou por introduzir a psicóloga da educação e investigadora Joana Rato, na conferência Neurociência e Educação: Mitos e Evidências, que decorreu na última terça-feira, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.

Se toda a ciência lida com uma margem de incerteza, convém separar os fatos bem estabelecidos dos mitos, reforça Joana Rato. “Estamos na era do neuro-qualquer coisa”, refere, como se vários campos de estudo fizessem o uso do prefixo “à procura de validação científica”. E exemplifica com os “cursos” de neuro-coaching.

Se na ciência não se pode “falar de verdades absolutas”, chegar à categoria de “mito” significa que “não há evidência científica a sustentar, há uma aparente lógica, mas com pouca evidência”, sublinhou. As questões que iniciaram este texto entram nessa categoria. Se os mitos têm “muitas vezes um trabalho muito rebuscado por trás”, igualmente difícil pode ser encontrar a sua origem, referiu a investigadora na conferência organizada pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, em que também participou o professor emérito da Universidade Livre de Bruxelas e especialista em psicologia cognitiva da leitura José Morais.

Por exemplo, na teoria da utilização de 10% do cérebro, o psicólogo norte-americano William James disse, em 1907, que “estamos a usar apenas uma pequena parte da possibilidade dos nossos recursos mentais e físicos”, identifica. A afirmação terá sido mais tarde distorcida, mas Joana Rato reforça que “não há nenhum estudo científico que identifique a percentagem do cérebro em uso”. Pode-se, sim, falar da utilização de uma “rede interligada nas tarefas que executamos”.

No caso da associação de cada hemisfério à criatividade ou à lógica, a origem do mito pode ser encontrada numa categorização de diferentes funções cerebrais pelo Nobel da Medicina de 1981 Roger Sperry. No entanto, Joana Rato sustenta que “não há uma área”, mas sim “múltiplas estruturas cerebrais”, “uma rede complexa impossível de localizar numa única área do cérebro”.

Aplicando este ponto à aprendizagem da leitura, José Morais acrescenta que o cérebro “não é a causa, é a condição necessária da literacia”. Daí que o importante “não é a lateralização” à esquerda ou à direita, “mas sim aprender a ler”.

O consumo dos copos de água é outra questão distorcida. Se está provado que o desempenho cognitivo fica afetado em situações de privação, o encolhimento do cérebro não passa de ficção.

Há uma barreira entre o conhecimento gerado na academia e a sua aplicação, entendem os dois especialistas. Um estudo de 2013 de Joana Rato, Ana Maria Abreu e Alexandre Castro Caldas deu conta da prevalência dos mitos nos professores portugueses, do pré-escolar ao secundário: 30% acreditavam que apenas utilizamos 10% do cérebro, 45% não identificavam como mito a associação dos hemisférios cerebrais à criatividade e à lógica e 31% achavam que não beber água suficiente podia levar à diminuição da massa cerebral.

O problema? A formação. “Não quero pôr o problema do lado dos professores”, respondeu José Morais à interpelação de um professor do secundário que estava na plateia. “Quero pô-lo na formação e no acompanhamento dos professores”, acrescentou. “Neste momento, a formação é totalmente deficitária” nesse campo. Para o especialista, esta é uma questão política: “Os Governos não estão interessados em desenvolver um ensino de grande qualidade para todas as crianças.”

No entanto, mesmo com os mitos, pode ser-se um bom professor, refere Joana Rato. A psicóloga da educação cita um estudo que mostra que os professores premiados têm uma tendência semelhante a crer nos mitos. Para combater as crenças infundadas, Joana Rato aponta deficiências no sistema de formação, tal como José Morais.

“Nos cursos de formação de referência para professores em Portugal – são cerca de 49 –, em termos de unidades curriculares que trabalhavam as atualizações neurocientíficas há uma única unidade curricular”, aponta. O problema é que, sem formação, “muitas vezes os professores vão ao Google, onde aparece muito desta desinformação”. Por isso, conclui, ajudaria que houvesse “melhor formação e uma apostava de maior proximidade de divulgação científica nas escolas”.

(Camilo Soldado escreve para o Público de Portugal)


Orquestra de Brasília e o Coral 10 interpretam Cio da Terra
Governador do Pará diz que contas dos estados passarão por pente-fino
veja +
Multa para quem estacionar em vaga de idoso pode aumentar
Projeto que limita propagandas em TVs e rádios educativas aguarda votação na Câmara
Proposta reserva vagas de instituições de ensino para pessoas com deficiência
veja +