TSE investiga invasão de hackers no sistema eleitoral

autor Misto Brasília

Postado em 09/11/2018 17:03:43 - 17:00:00


Invasores disseram que conseguiram entrar em senhas de juízes eleitorais/Arquivo

Caso está sendo investigado também pela Polícia Federal com base em denúncias por e-mail

O site TecMundo recebeu por e-mail notificações de hackers que teriam invadido o sistema de controle das urnas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O caso foi encaminhado na última terça-feira (06) à presidência da Corte, que pediu que a Polícia Federal investigue a suposta quebra de sigilo. Atualizado às 17h27

A investigação foi noticiada esta tarde pelo próprio site especializada em tecnologia. O TSE também abriu uma sindicância interna para apurar o eventual envolvimento de funcionários ou colaboradores internos que possam ter facilitado a invasão, informou a TecMundo e o G1.

A TecMundo explicou que os invasores não tiveram acesso ao módulo do sigilo do voto: isso significa que não foi possível acessar a parte do sistema que exibe os votos dos eleitores. Além disso, o código do GEDAI é "público": após a assinatura de um termo de sigilo, partidos, MP e OAB, por exemplo, podem pedir o acesso.

A TecMundo publicou que os invasores disseram ter conseguido acessar a intranet do TSE, obtendo informações privilegiadas e confidenciais, como troca de e-mails, envio de senhas para juízes, credenciais de acesso e também ao “Gedai-UE”, que é um aplicativo instalado na urna “responsável por gerar os flashes de carga, de votação e mídias para a urna, além de receber e enviar as correspondências para os TREs [Tribunais Regionais Eleitorais]”, segundo a descrição oficial do programa.

Segundo a reportagem, um dos hackers contou ao TecMundo ter conseguido acessar os sistemas internos por meio de vulnerabilidades em aplicações desenvolvidas pelo próprio TSE. Disse ter explorado a rede interna por meses, entrando em diferentes máquinas da Corte, com objetivo de compreender como funcionavam os sistemas de votação.

TecMundo recebeu os documentos por meio de duas fontes anônimas em outubro. Após análise interna, os arquivos completos foram enviados ao Tribunal Superior Eleitoral para autenticação — e, agora, foi aberto inquérito na Polícia Federal para apurar os fatos.

O que é o aplicativo

O GEDAI-UE foi o principal módulo que os hackers acessaram. Segundo o TSE, ele é um gerenciador de dados, aplicativos e interface com a urna, que fornece às equipes dos cartórios eleitorais e dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) o suporte de software necessário à carga das urnas eletrônicas. É o sistema responsável por gerar as flashes de carga, de votação e mídias para a urna, além de receber e enviar as correspondências para os TREs.


Temer diz em pronunciamento que torce pelo novo presidente
Governadores eleitos e reeleitos entregam carta a Bolsonaro
veja +
Universidades apoiam criação de fundo patrimonial, mas criticam trechos da MP 851
Comissão aprova isenção de IPVA a ex-proprietário de veículo
Excesso de peso em bagagens no transporte aéreo pode ter novas regras
veja +